Equipes de resgate buscam sobreviventes de desabamento de ponte italiana

A capacidade da ponte para suportar o aumento do tráfego ao longo dos anos foi debatido, após o desmoronamento que matou cerca de 39 pessoas
Ver uma pilastra desabar como papel machê é uma coisa incrível, disse uma testemunha (Stefano Rellandini/Reuters)
Ver uma pilastra desabar como papel machê é uma coisa incrível, disse uma testemunha (Stefano Rellandini/Reuters)
R
Reuters

Publicado em 15/08/2018 às 09:44.

Última atualização em 15/08/2018 às 10:01.

Gênova - Equipes de resgate procuravam nesta quarta-feira em meios aos escombros possíveis sobreviventes da ponte que desmoronou na Itália, cujo saldo de mortes subiu para 39, e o governo culpou a operadora da ponte, exigindo demissões e propondo o encerramento de sua concessão.

A ponte de 50 anos, parte de uma via expressa com cobrança de pedágio que liga a cidade portuária de Gênova ao sul da França, desabou durante uma chuva torrencial na terça-feira, lançando dezenas de carros no leito de um rio e sobre um linha férrea e dois armazéns.

Testemunha ocular do fato, Ivan, de 37 anos, que foi retirado ainda na terça-feira do edifício próximo em que trabalha, descreveu o desmoronamento como inacreditável.

"Ver uma pilastra desabar como papel machê é uma coisa incrível", disse. "Sempre soubemos dos problemas. Ela está em manutenção contínua".

"Nos anos 1990 eles acrescentaram alguns reforços em uma parte, mas mesmo por baixo você vê a ferrugem".

Enquanto gruas chegavam para retirar placas de concreto do tamanho de um caminhão, centenas de bombeiros procuravam sobreviventes, e o choque e a tristeza do público se transformaram em revolta pelo estado da ponte de 1,2 quilômetro de comprimento, construída em 1967 e reformada dois anos atrás.

A Autostrade, unidade do grupo Atlantia, de Milão, que administra a ponte, disse que realizou verificações frequentes e sofisticadas na estrutura antes do desastre e que estas apresentaram resultados tranquilizadores.

"Além disso, os técnicos da empresa contaram, de forma a averiguar o estado da ponte e a eficiência dos sistemas de controle sendo adotados, com empresas e instituições que são líderes mundiais em testes e inspeções baseados nas melhores práticas internacionais", disse a Autostrade em um comunicado.

Mas o estado da ponte, e sua capacidade para suportar grandes aumentos de intensidade e tráfego ao longo dos anos, foram tema de debate público após o desmoronamento de terça-feira, quando um trecho de 80 metros ruiu durante o horário do almoço, com carros cheios de turistas e caminhões sendo atingidos.

O vice-primeiro-ministro e ministro do Interior italiano, Matteo Salvini, disse que o administrador privado da ponte lucrou "bilhões" com os pedágios, mas "não gastou o dinheiro que deveria" e sua concessão deveria ser revogada -- aparentemente se referindo à Autostrade.

A polícia de Gênova estimou os mortos em 39 e os feridos em 14.