Eleições legislativas no Egito são canceladas

Esta decisão provoca novas incertezas políticas em um país que ainda tenta se estabilizar dois anos após a queda de Hosni Mubarak

Cairo - A Justiça administrativa egípcia ordenou nesta quarta-feira o cancelamento das eleições legislativas previstas para começar em 22 de abril, dificultando o poder do presidente Mohamed Mursi.

Esta decisão provoca novas incertezas políticas em um país que ainda tenta se estabilizar dois anos após a queda de Hosni Mubarak.

A Irmandade Muçulmana, da qual Mursi faz parte, indicou que "respeita" a decisão da Justiça.

O presidente havia convocado essas eleições no mês passado por meio de um decreto, mas o tribunal administrativo do Cairo considerou que o procedimento seguido pelo chefe de Estado e o Senado dominado pelos islamitas não estava conforme o previsto pela Constituição.

O tribunal decidiu anular o decreto de Mursi e parar a preparação das eleições, que a maior parte da oposição pretendia boicotar, e reenviar a lei eleitoral ao Supremo Tribunal Constitucional (HCC).

As legislativas deveriam começar em 22 de abril e teriam uma duração de dois meses para eleger uma nova Assembleia (Câmara Baixa), após a dissolução da anterior em junho de 2012.

Mas vários opositores questionaram a sua transparência e o momento escolhido para a sua realização, defendendo que o país está muito dividido para que ocorram de forma tranquila.

A principal coalizão de oposição, a Frente de Salvação Nacional (FSN), anunciou que iria boicotar as eleições legislativas devido a falta de garantias para a sua regularidade.


O coordenador da FSN, o Prêmio Nobel da Paz Mohamed ElBaradei, denunciou uma "farsa" e sugeriu que as eleições poderiam ser manipuladas como acontecia sob o reinado do presidente Hosni Mubarak, mas desta vez em favor dos partidários de Mursi.

Outro opositor, o islâmico moderado Abdel Moneim Abul Futuh, candidato derrotado na eleição presidencial do ano passado, no entanto, indicou que o seu partido se lançaria na batalha legislativa.

A Irmandade Muçulmana assegurou "respeitar a decisão do tribunal administrativo de parar as eleições e remeter o processo para o Tribunal Constitucional".

A Irmandade diz que não tem a intenção de apelar da decisão, em uma mensagem em sua conta no Twitter.

A decisão do tribunal coloca Mursi em uma situação difícil.

O presidente tem dito repetidamente que as eleições trariam estabilidade ao país, rejeitando as críticas sobre o momento de sua organização.

A Irmandade Muçulmana e os salafistas dominavam a Assembleia Nacional anterior eleita no inverno 2011/2012 e dissolvida em junho do ano passado pelo Tribunal Constitucional, no momento em que o país era governado por um conselho militar.


O Egito atravessa mais crise de sua difícil transição política desde a queda de Mubarak, pressionado por uma revolta popular.

O país convive regularmente com manifestações, por vezes violentas, contra o poder islâmico, que é acusado de tentar tirar proveito das brechas do poder, ou provocadas pelo agravamento da situação econômica e social.

A tensão é particularmente forte em Port-Saïd. O julgamento de episódio dramático que aconteceu no ano passado durante uma partida de futebol tem provocado protestos mortas entre a população e a polícia há várias semanas.

O chefe dos serviços de segurança locais, Mohsen Radi, renunciou a seu cargo nesta quarta-feira, uma decisão clara de tentativa de apaziguar a situação nesta cidade localizada no canal de Suez.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.