Mundo

Eleições na França: Le Pen diz que partido 'quer governar' e aceitará formar coalizão

Declaração acontece após Jordan Bardella, cotado para premier em um eventual governo do Reagrupamento Nacional, condicionar ascensão ao cargo se legenda obtiver maioria absoluta

Marine Le Pen, líder do partido Reagrupamento Nacional, fala durante uma reunião em Perpignan, França, na quinta-feira, 7 de abril de 2022.  (Louise Delmotte/Getty Images)

Marine Le Pen, líder do partido Reagrupamento Nacional, fala durante uma reunião em Perpignan, França, na quinta-feira, 7 de abril de 2022. (Louise Delmotte/Getty Images)

Agência o Globo
Agência o Globo

Agência de notícias

Publicado em 2 de julho de 2024 às 12h38.

Última atualização em 2 de julho de 2024 às 13h46.

A líder da extrema direita francesa, Marine Le Pen, disse em entrevista nesta terça-feira, 2, que o Reagrupamento Nacional (RN), favorito no segundo turno das eleições legislativas, apenas aceitaria formar uma coalizão no Parlamento se pudesse "governar", garantindo que a legenda trabalhará para convencer deputados de outros partidos a se unirem ao grupo. A declaração acontece após o eurodeputado Jordan Bardella, principal cotado para primeiro-ministro em um eventual governo do RN, condicionar sua ascensão ao cargo à conquista da maioria absoluta dos assentos no pleito — cenário visto como improvável, apesar das projeções indicarem que o partido terá a maior bancada.

"É evidente que não podemos aceitar ir para o governo se não pudermos agir", disse. "Queremos governar".

Segundo Le Pen, caso o RN tenha um pouco menos de votos para obter a maioria de 289 necessária para governar — pesquisas apontam que o partido poderá levar de 240 a 270 cadeiras —, tentaria convencer "vários deputados de direita, vários de esquerda e alguns republicanos" a formar uma coalizão.

"A desistência é o pior tipo de desrespeito aos eleitores", enfatizou. "Esse governo será completo, será competente, será composto por pessoas do Reagrupamento Nacional, por pessoas que participaram conosco da batalha eleitoral e por pessoas da sociedade civil. Essa maioria absoluta é viável".

A tarefa, de fato, pode não ser tão difícil quanto seria no passado — apesar do histórico "cordão sanitária" formado pelas forças democráticas para isolar a extrema direita francesa ter se repetido este ano depois do primeiro turno.

Após o presidente Emmanuel Macron anunciar a antecipação das eleições, Eric Ciotti, presidente dos Republicanos — partido da direita tradicional que já elegeu quadros como Nicolas Sarkozy e Jacques Chirac —, surpreendeu a todos ao anunciar uma aliança com o RN. Ciotti foi expulso do partido e depois readmitido temporariamente por determinação da Justiça, levando a um racha que incentivou parte dos candidatos republicanos a se unirem à ultradireita em alguns distritos. Uma ampla vitória do Reagrupamento Nacional no segundo turno poderia atrair ainda mais deputados da legenda.

Em entrevista, Le Pen também assegurou que não tem intenções de ser premier. Ela foi reeleita ao Parlamento no primeiro turno pelo distrito de Pas-de-Calais com 58% dos votos. Antes do pleito, era líder da bancada do RN na Casa, função que pretende continuar exercendo.

"Estarei à frente do grupo de deputados", afirmou.

A líder extremista avaliou a decisão do presidente Macron de dissolver a Assembleia Nacional como um "impulso democrático", mas disse que os esforços do centrista para bloquear o RN indicavam que ele teria voltado atrás.

"[Macron] está fazendo de tudo hoje para tentar frustrar o processo democrático", afirmou. "[Ele] planeja, mesmo que o povo se expresse enviando uma maioria de deputados do RN, impedir o RN de governar".

Le Pen também foi questionada sobre como o partido agiria caso Macron decidisse renunciar à Presidência — devido ao sistema semipresidencialista, o mandato do centrista pode seguir até 2027 mesmo com um primeiro-ministro de outra legenda, formando o que na França se conhece como governo de coabitação.

"Se ele decidir renunciar, entraremos nessa batalha presidencial com grande entusiasmo", disse Le Pen, afirmando esperar que haja uma eleição presidencial no país "o mais rápido possível".

Acompanhe tudo sobre:Paris (França)Marine Le PenEleições

Mais de Mundo

Kamala Harris será candidata? Veja as 3 questões que vão definir isso

Eleições Venezuela: cinco pontos importantes para entender o contexto econômico e político do país

Eleições da Venezuela acontecem no domingo, em meio a ameaças e esperança de mudança

Eleições Venezuela: Quem é Edmundo González, principal candidato da oposição contra Nicolás Maduro

Mais na Exame