Mundo

Chanceler chinês espera melhora na relação EUA-China

Ministro das Relações Exteriores chinês afirmou que as políticas do país permanecerão estáveis e consistentes

China e EUA: país asiático diz que relação entre os dois é a mais importante do mundo (Aly Song/Reuters)

China e EUA: país asiático diz que relação entre os dois é a mais importante do mundo (Aly Song/Reuters)

China2Brazil
China2Brazil

Agência

Publicado em 30 de março de 2023 às 18h44.

Última atualização em 30 de março de 2023 às 18h49.

O ministro das Relações Exteriores chinês, Qin Gang, reuniu-se com um grupo de empresários americanos em visita a Pequim, em 25 de março.

Na ocasião, ele afirmou que as políticas da China permanecerão estáveis e consistentes, que a China continuará a promover a abertura para o mundo exterior. Disse ainda que a economia e a sociedade chinesa pressionaram o “botão reset” e estão à beira de uma forte recuperação.

Qin Gang salientou que a relação Estados Unidos-China é o relacionamento bilateral mais importante do mundo, e o mundo inteiro se beneficiará de uma melhora na relação entre os países.

“Espero que o lado americano abandone seu pensamento de soma zero, pare de conter e suprimir a China e trabalhe com o lado chinês para promover as relações China-EUA para superar as dificuldades atuais e retornar a um caminho saudável e estável”, disse.

Empresas americanas na China

Ele também deu as boas-vindas às empresas americanas para continuar a expandir seus investimentos na China e criar raízes no país.

A China está disposta a continuar a proporcionar um melhor ambiente de negócios para as empresas de todos os países, incluindo as companhias americanas.

Outro objetivo da visita dos empresários e indústrias americanos à China é participar na reunião anual do Fórum de Desenvolvimento da China 2023, que é organizado pelo Centro de Pesquisa de Desenvolvimento do Conselho de Estado da China, que aconteceu de 25 a 27 de março.

O fórum deste ano, o primeiro evento offline na China desde o início da pandemia há três anos, teve como tema “Recuperação Econômica: Oportunidades e Cooperação”, e teve como foco questões importantes como crescimento econômico, abertura e cooperação, resiliência da cadeia industrial, transformação verde e com baixo teor de carbono e desenvolvimento da economia digital.

Mais de 100 convidados estrangeiros participaram da conferência, incluindo o CEO da Apple Tim Cook, o fundador da Bridgewater Ray Dalio, o fundador da BlackRock Stephen A. Schwarzman, e executivos da Pfizer, Procter & Gamble, Qualcomm, Caterpillar e outras empresas americanas.

FMI: recuperação da China é sólida

Falando no fórum, Kristalina Georgieva, diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), disse: “No momento, a recuperação econômica da China é muito sólida e tem um impulso muito forte, o que é significativo não apenas para a China mas também para o mundo”.

Em fevereiro deste ano, o Fundo Monetário Internacional divulgou uma atualização de seu relatório World Economic Outlook, que revisou significativamente sua previsão de crescimento para a China neste ano para 5,2%.

Neste ano, o relatório de trabalho do governo chinês propôs um esforço maior para atrair e utilizar o investimento estrangeiro.

Nos últimos anos, com a vantagem de um megamercado, uma China mais aberta continuou a proporcionar novas oportunidades para o mundo com seus próprios novos desenvolvimentos e continua a ser um foco de investimento para as empresas estrangeiras.


Tradução: Mei Zhen Li
Autor: Zhuohua Liang

Acompanhe tudo sobre:Chinaeconomia-internacionalComércio exterior

Mais de Mundo

'A defesa da democracia é mais importante do que qualquer título', diz Biden em discurso

Governo Lula se diz irritado com falas de Maduro, mas evita responder declarações

Netanyahu discursa no Congresso americano sob protestos de rua e boicote de dezenas de democratas

Em discurso a irmandade negra, Kamala pede ajuda para registrar eleitores e mobilizar base a votar

Mais na Exame