Biden e Xi Jinping têm rara ligação, com Taiwan e Ucrânia na pauta

O principal item na agenda é a relação dos Estados Unidos com Taiwan, após rumores de uma visita de Nancy Pelosi à ilha ampliarem as tensões
Biden e Xi em conferência no ano passado: ligação desta semana é a quinta entre os dois líderes desde que Biden assumiu (Alex Wong / Equipe/Getty Images)
Biden e Xi em conferência no ano passado: ligação desta semana é a quinta entre os dois líderes desde que Biden assumiu (Alex Wong / Equipe/Getty Images)
C
Carolina RiveiraPublicado em 28/07/2022 às 06:00.

O presidente chinês, Xi Jinping, está programado para contatar o presidente americano, Joe Biden, em uma ligação nesta quinta-feira, 28.

A ligação será a quinta conversa telefônica bilateral entre os dois líderes desde que Biden tomou posse, em janeiro de 2020.

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

O principal item na agenda deve ser a relação dos Estados Unidos com Taiwan.

A situação ficou mais tensa após circularem informações de que a presidente da Câmara dos Deputados americana, Nancy Pelosi, fará uma visita oficial em breve à ilha. Pelosi é do Partido Democrata, o mesmo de Biden, mas a Casa Branca afirma que a decisão da viagem é exclusivamente da parlamentar e não uma ordem do governo.

VEJA TAMBÉM: Os destaques do PIB 'estagnado' da China e o que dizem sobre o Brasil

Se confirmada a ida a Taiwan, Pelosi será a oficial estadunidense de escalão mais alto a visitar a ilha desde 1992. O governo chinês tem dito que a visita poderá ter "consequências".

A história entre Taiwan e a China

A situação é delicada e nenhum dos lados quer recuar: a visita de Pelosi é altamente apoiada pelo governo local em Taiwan e, se Biden voltar atrás, o governo dos EUA pode ser visto como influenciado por ameaças chinesas. Já Xi Jinping tenta mostrar que não tolerará influência americana em territórios estratégicos para o país.

Taiwan é uma ilha com cerca de 24 milhões de habitantes, a 180 quilômetros da China continental.

VEJA TAMBÉM: China condena passagem de navio de guerra dos EUA a Taiwan; entenda

A ilha se considera independente desde 1949, ano da Revolução Comunista que levou Mao Tse-Tung ao poder na China. O então líder opositor, Chiang Kai-Shek, fugiu com outros políticos chineses e se refugiou na ilha de Taiwan. O caso virou uma disputa entre as partes desde então.

Os EUA não reconhecem a independência de Taiwan oficialmente, mas prestam assistência técnica à ilha para defender sua soberania, segundo o histórico de diplomacia da Casa Branca. Na prática, a autonomia da ilha é um dos assuntos prioritários em Washington, e a questão se tornou mais relevante à medida em que cresceram as disputas com a China.

A China, por sua vez, não considera Taiwan um território separado da China continental. Os temores de que a China e Taiwan possam entrar em um choque militar são crescentes.

Ucrânia e protecionismo também na agenda

Além da questão prioritária de Taiwan nesta semana, a guerra na Ucrânia também está na pauta. Embora a China não esteja envolvida diretamente no conflito, a aproximação do governo de Pequim com a Rússia de Vladimir Putin é um tema sensível para o governo Biden.

A proximidade com a China tem sido crucial para que a Rússia sobreviva parcialmente às sanções do Ocidente. Com as sanções ocidentais, a China superou a Alemanha e se tornou a maior importadora de energia dos russos neste ano.

VEJA TAMBÉM: Entrevista: parceria com a China é capaz de fazer Rússia sobreviver às sanções?

A informação de que a ligação entre Xi e Biden ocorreria hoje foi antecipada pela agência Reuters, mas rumores sobre uma conversa direta entre os dois líderes já vinham circulando desde o fim de semana.

O porta-voz de segurança nacional da Casa Branca, John Kirby, disse à imprensa americana nesta semana que a competição entre os dois países também está na agenda a ser discutida - sobretudo em temas sensíveis como semicondutores e medidas protecionistas.

VEJA TAMBÉM: 100 anos do PC chinês: como os comunistas reinventaram o capitalismo

A ligação entre Biden e Xi Jinping acontece ainda enquanto o Congresso americano discute um pacote de US$ 52 bilhões em subsídios à produção de semicondutores (amplamente usados em chips e na indústria). A China lidera nessa frente e o assunto é considerado estratégico pelo governo Biden.

"Tudo [será conversado na ligação], desde as tensões sobre Taiwan, até a guerra na Ucrânia, e a forma de gerenciamos melhor a competição entre nossas duas nações, certamente na esfera econômica", disse Kirby sobre os tópicos a serem discutidos.

Tudo parte de uma disputa constante - e crescente - entre Estados Unidos e China no cenário global. A novela está longe do fim, com ou sem a visita de Pelosi.

Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME.