Mundo

China condena passagem de navio de guerra dos EUA a Taiwan; entenda

"EUA estão destruindo a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan", disse o porta-voz do Comando do Teatro Leste da China

Taiwan: na terça-feira, 19, o "USS Benfold", um destróier da classe Arleigh Burke, "conduziu uma passagem de rotina pelo Estreito de Taiwan (Marcus Brandt/Getty Images)

Taiwan: na terça-feira, 19, o "USS Benfold", um destróier da classe Arleigh Burke, "conduziu uma passagem de rotina pelo Estreito de Taiwan (Marcus Brandt/Getty Images)

A

AFP

Publicado em 20 de julho de 2022 às 09h49.

O governo chinês condenou, nesta quarta-feira (20), a passagem de um navio de guerra americano pelo Estreito de Taiwan, acusando os Estados Unidos de quererem "destruir a paz e a estabilidade" deste corredor estratégico que separa a ilha da China continental. 

"As frequentes provocações e fanfarrices dos EUA demonstram plenamente que os EUA estão destruindo a paz e a estabilidade no Estreito de Taiwan", ao mesmo tempo em que criam riscos, disse o porta-voz do Comando do Teatro Leste da China, coronel Shi Yi.

Na terça-feira, o "USS Benfold", um destróier da classe Arleigh Burke, "conduziu uma passagem de rotina pelo Estreito de Taiwan em águas internacionais", disse a Sétima Frota dos Estados Unidos.

"O navio transitou por um corredor do Estreito que está além do mar territorial de qualquer Estado costeiro", acrescenta o comunicado.

As forças chinesas estão sempre "em alerta máximo para (resolutamente) preservar a soberania nacional e a integridade territorial", destacou o coronel chinês.

O Ministério da Defesa de Taiwan disse que monitorou de perto a passagem do navio e que "a situação era normal".

Pequim considera Taiwan como parte de seu território que retornará ao seu controle, mesmo que pela força. Nesse contexto, o estreito de 180 quilômetros que separa a ilha da China continental é uma questão delicada.

Os Estados Unidos e seus aliados veem o Estreito de Taiwan, por sua vez, como parte das águas internacionais abertas a todos. Desde janeiro, os navios de guerra americanos atravessam este canal quase todos os meses.

Em junho, o Ministério chinês das Relações Exteriores reivindicou que "a China tem soberania, direitos soberanos e jurisdição sobre o Estreito de Taiwan".

"É uma alegação falsa que alguns países chamem o Estreito de Taiwan de 'águas internacionais' para encontrar um pretexto para manipular questões relacionadas a Taiwan e ameaçar a soberania e a segurança da China", disse o porta-voz chinês.

Possível viagem de Pelosi a Taiwan violaria soberania de Pequim, diz China

China reagiu com veemente oposição nesta terça-feira, 19, à notícia de que a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos, Nancy Pelosi, viajará a Taiwan, revelada pelo jornal Financial Times. Porta-voz do ministério das Relações Exteriores chinês, Zhao Lijian afirmou que a viagem violaria a "soberania e integridade territorial" do gigante asiático, além de prejudicar as relações sino-americanas e enviar um sinal "errado" ao que chama de "forças separatistas" da ilha. "A China se opõe firmemente a isso", disse, durante coletiva de imprensa.

Zhao Lijian reforçou pedido de Pequim para que Washington não organize a visita, cesse as comunicações com Taiwan e "pare de criar tensões" na região. "Se os EUA insistirem em seguir seu próprio caminho, a China tomará medidas resolutas e contundentes para salvaguardar firmemente a soberania nacional e a integridade territorial", ameaçou, acrescentando que a responsabilidade da resposta recairia aos EUA.

Taiwan é governado de maneira independente desde o final da guerra civil chinesa, no fim da década de 1940, mas a China reivindica a soberania total do território, cuja independência não é formalmente reconhecida pela maior parte da comunidade internacional.

Veja também: 

Possível viagem de Pelosi a Taiwan violaria soberania de Pequim, diz China

Parlamento do Sri Lanka elege substituto para presidente que fugiu em meio a grave crise

Acompanhe tudo sobre:ChinaEstados Unidos (EUA)Guerras

Mais de Mundo

Nova York aprova leis para limitar uso de redes sociais por jovens

Como a renda básica a moradores de rua fez essa cidade nos EUA poupar US$ 589 mil

Os EUA vão proibir antivírus Kaspersky no país por 'risco de segurança'; entenda

Bailarina americana doa US$ 50 para instituição da Ucrânia e pode ser presa; entenda

Mais na Exame