Marketing

KFC pede desculpas após mensagem polêmica sobre tsunami

Publicação da marca no Facebook em meio a um alerta na Tailândia foi considerada "egoísta e insensível"

KFC: mensagem indigesta no Facebook gerou pedido de desculpas (Divulgação)

KFC: mensagem indigesta no Facebook gerou pedido de desculpas (Divulgação)

DR

Da Redação

Publicado em 13 de abril de 2012 às 11h59.

São Paulo - A KFC - Kentucky Fried Chicken - divulgou um pedido de desculpas na Tailândia depois de, em meio a alerta de tsunami ontem, publicar uma mensagem no Facebook incentivando as pessoas a correr para casa e "pedir um balde do frango da marca.

"Vá depressa para casa e acompanhe as notícias do terremoto. E não se esqueça de encomendar o seu menu de KFC favorito", disse a empresa, enquanto as pessoas eram avisadas para que saísses da zona das praias.

Como era de se esperar, o número de críticas à mensagem foi às alturas. Rapidamente, centenas de pessoas começaram a postar comentários irritados em diversos fóruns na internet, chamando a marca de insensível e egoísta.

Embora o terremoto da última quarta tenha ocorrido na Indonésia, a Tailândia já conheceu de perto a devastação que esse tipo de fenômeno pode causar. Em 2004, 230 mil pessoas, incluindo 8 mil tailandeses, morreran em consequência de um terremoto seguido de tsunami na Ásia.

Hoje, a mensagem no perfil da marca no Facebook foi removida e substituída por um pedido de desculpas.

" A equipe KFC Tailândia sabe que cometeu um erro e se arrepende disso. Pedimos desculpas pelo uso indevido de uma situação de catástrofe", disse.

Acompanhe tudo sobre:#failÁsiaDesastres naturaisEmpresasEmpresas americanasEmpresas de internetempresas-de-tecnologiaFacebookFast foodInternetKFCRedes sociaisTailândiaTsunami

Mais de Marketing

TNT lança proposta de R$ 10 bilhões para assegurar transmissão da NBA

Vale investe em campanha para se aproximar do consumidor final; diretor explica estratégia

Estrelas pagam R$ 66 mil por curso de negócios na Harvard

Google decide manter cookies; entenda o que isso significa para os anunciantes

Mais na Exame