Cinco números para entender a guerra entre Rússia e Ucrânia

A guerra entre Rússia e Ucrânia tomou o lugar dos NFTs como o assunto que as pessoas mais querem discutir — mas que raramente entendem de verdade
 (Peter Turnley/Corbis/Getty Images)
(Peter Turnley/Corbis/Getty Images)
R
Redação

Publicado em 04/03/2022 às 15:37.

Última atualização em 23/03/2022 às 17:52.

*Este conteúdo faz parte da newsletter semanal da EXAME Invest, que reúne as notícias mais relevantes da semana para seus investimentos. Inscreva-se para receber mais conteúdos.

A guerra entre Rússia e Ucrânia tomou o lugar dos NFTs como o assunto que as pessoas mais querem discutir —mas que raramente entendem de verdade nesta última semana. E não nos leve a mal, a última vez que o Leste Europeu rendeu tantas notícias muitos de nós nem estávamos vivos. 

Um conflito de mais de 1000 anos

A verdade é que a civilização russa começou onde hoje é a Ucrânia (e Kiev se desenvolveu antes de Moscou). Enquanto fazia parte de impérios europeus, como o soviético, o país sofreu tentativas de “russificação” (como na língua e na cultura), pela preocupação com o nacionalismo ucraniano. 

E depois de a ditadura de Stalin matar milhões de ucranianos de fome na década de 1930, ficou difícil querer fazer parte do lado russo. Aliás, foi tão difícil que o próprio hino do país começa com a frase “A Ucrânia ainda não está morta”.

A independência

Em 1991, a Ucrânia se torna independente para, finalmente, entrar em um cabo de guerra entre a Rússia e o Ocidente. Enquanto o centro e o oeste tendiam a ser pró-Ocidente, o leste e o sul da Ucrânia “simpatizavam” mais com Moscou.

Mas, para Putin, não é bem assim. O Kremlin acredita que a Ucrânia é parte inegociável de seu campo de poder e que ver o país se aproximar da Otan e do Ocidente (como tem feito desde 2008) seria inadmissível. 

Este conteúdo faz parte da newsletter semanal da Exame Invest. Clique aqui para receber as próximas edições.

O ano era 2014

Depois de uma revolta popular derrubar o presidente da Ucrânia em 2014 (que era pró-Rússia), um governo apoiado pelo Ocidente toma o poder. 

Como resposta, a Rússia anexou a Crimeia (com a maioria da população sendo russa) e apoiou confrontos em duas províncias do leste que estabeleceram estados separatistas da Ucrânia — o que resultou em uma guerra civil que já atingiu mais de 1 milhão de pessoas. 

A resposta da internet à guerra na Ucrânia

Enquanto russos e ucranianos pegavam em armas na última semana, o resto do mundo se mobilizou de uma forma diferente. Entre sanções, controles de exportação e congelamento de ativos, a internet se transformou num verdadeiro arquivo documental de tudo que estava rolando (e uma ferramenta para atacar de outros jeitos) no conflito. Veja alguns exemplos:

  • Wikipedia: mais de 400 pessoas já colaboraram adicionando dados atualizados ao artigo “Invasão russa da Ucrânia em 2022”, que explica tudo o que aconteceu antes da invasão e em todos os dias até hoje;
  • Starlink: o vice-primeiro-ministro da Ucrânia pediu, em um tuíte, que Elon Musk fornecesse internet para toda a Ucrânia via satélite —e ele disse que já estava providenciando;
  • Google Maps: dados de tráfego de usuários ucranianos identificam movimentos de tropas russas através do aplicativo;
  • Fake news: uma verdadeira força-tarefa está traduzindo vídeos e desmascarando edições falsas de fotos, em tempo real, para evitar que notícias caluniosas se espalhem.
  • Monetização: Facebook, Google e YouTube anunciaram planos para impedir que os meios de comunicação estatais russos monetizem suas plataformas.

Este conteúdo faz parte da newsletter semanal da EXAME Invest. Clique aqui para receber as próximas edições.

A guerra em números

  • 7 bancos: a UE excluiu sete bancos russos do sistema de transações financeiras Swift. Entre eles está o segundo maior credor da Rússia, o VTB, além de Bank Otrkitie, Novikombank, Promsvyazbank, Bank Rossiya, Sovcombank e VEB.
  • 1 milhão de refugiados: número de refugiados chega a 1 milhão na Ucrânia e o êxodo de ucranianos pode se confirmar como a pior crise humanitária da Europa em um século. Estima-se que o número possa chegar a 4 milhões se a guerra continuar (cerca de 10% da população da Ucrânia);
  • 5 votos: enquanto boa parte da comunidade internacional acusou a Rússia de violar o artigo 2 da Carta das Nações Unidas (que pede aos seus membros para não recorrer a ameaças ou à força para solucionar conflitos), na quarta-feira, dia 2, cinco países votaram contra a acusação: Rússia, Eritreia, Síria, Coreia do Norte e Bielorrúsia (A China se absteve);
  • -25%: o rublo russo desvalorizou em quase 25%  desde o início dos ataques à Ucrânia e depois das sanções econômicas impostas pelos Estados Unidos/aliados (em relação ao dólar, uma baixa recorde de menos de 1 centavo). A taxa de juro já subiu de 9,5% para 20%.
  • Mais do que conseguimos contar: a lista de sanções contra a Rússia só aumenta. Você encontra elas em detalhes aqui e aqui. Ainda, na lista de pessoas físicas com bens congelados em seus territórios temos Kim Jong Un, Bashar al-Assad, Putin, seu chanceler Sergei Lavrov e +.

E como ficou o Brasil nessa história?

Tanto a Rússia quanto a Ucrânia têm suas economias baseadas em uma coisa: commodities (energéticas e agrícolas). A título de curiosidade, só em 2021, o Brasil importou mais de US$ 5,7 bilhões em produtos russos, sendo 60% destes fertilizantes. 

E não é só o Brasil. A Rússia é a maior exportadora de insumos agrícolas do mundo.

Mas os principais bancos da Rússia foram banidos do Swift (um serviço global de comunicação entre instituições financeiras). Com isso, o Brasil pode não conseguir pagar e receber os produtos importados da Rússia;

Além disso, oito das 100 categorias de produtos mais importados pelo Brasil vêm da Rússia (e a maioria é essencial para a nossa produção agrícola). Com os insumos mais caros, o produtor terá de cobrar mais pela safra e, consequentemente, os preços dos alimentos podem continuar subindo.

A Rússia exporta também petróleo, gás natural, trigo etc. E com a oferta diminuída no meio de uma guerra, os preços do diesel, gasolina, borracha e derivados tendem a disparar.

Mas o aumento dos preços não é a única preocupação, porque a Rússia é também uma grande compradora de produtos brasileiros. Só em 2021, por exemplo, ela comprou mais de US$ 800 milhões em soja, café e carne.

Este conteúdo faz parte da newsletter semanal da Exame Invest. Inscreva-se para receber em primeira mão as notícias que te ajudam a investir melhor.