Acompanhe:

Legacy compra dólar e vende bolsa com piora em dinâmica fiscal

Legacy Capital montou recentemente uma pequena posição comprada em dólar contra o real brasileiro em meio à expectativa de deterioração do quadro fiscal

Legacy: negociação dos valores extrateto na ‘PEC da transição’ é apenas o primeiro elemento de uma agenda de política econômica que deverá incluir, além da expansão fiscal, o retorno da utilização de bancos públicos (Gary Cameron/Reuters)

Legacy: negociação dos valores extrateto na ‘PEC da transição’ é apenas o primeiro elemento de uma agenda de política econômica que deverá incluir, além da expansão fiscal, o retorno da utilização de bancos públicos (Gary Cameron/Reuters)

B
Bloomberg

6 de dezembro de 2022, 17h29

A Legacy Capital montou recentemente uma pequena posição comprada em dólar contra o real brasileiro em meio à expectativa de deterioração do quadro fiscal sob o governo eleito de Luiz Inácio Lula da Silva.

“O preço atual do câmbio não reflete a piora fiscal que será contratada”, disse Gustavo Pessoa, sócio-fundador da Legacy, que tem mais de R$ 20 bilhões sob gestão. A posição “depende mais da dinâmica do que do nível” da moeda, segundo Pessoa. “Enquanto houver uma piora na dinâmica fiscal e parafiscal, devemos seguir com apostas negativas.”

O fundo mantém posição vendida no mercado acionário doméstico, “concentrada em nomes ligados à economia local, e com indicadores de endividamento mais elevado”, disse a gestora, em sua mais recente carta a cotistas. O ‘short’ em bolsa é a principal posição em Brasil do fundo.

As indicações do governo eleito são de que o próximo ministro da Fazenda terá um perfil político e será alinhado com políticas de aumento de gastos, de impostos, expansão de crédito direcionado e aumento da intervenção estatal, segundo a Legacy.

“A negociação dos valores extrateto na ‘PEC da transição’ é apenas o primeiro elemento de uma agenda de política econômica que deverá incluir, além da expansão fiscal, o retorno da utilização de bancos públicos para impulsionamento de crédito, e um novo marco fiscal”, disse a gestora. “Nesse quadro, é provável que as expectativas de inflação dos próximos anos entrem em trajetória de elevação.”

A gestora vê elementos que indicam que o crescimento da economia brasileira deve desacelerar para perto de zero em 2023. As projeções da casa também apontam para inflação de 5,7% em 2023 e de 5,2% em 2024.

O fundo Legacy Capital FIC recuou 0,26% em novembro, ante um ganho de 1,02% do CDI, segundo dados compilados pela Bloomberg. O fundo possui uma posição vendida menor em bolsa internacional e está comprado em petróleo.