Ibovespa hoje: bolsa cai 2% com queda da Petro e alta de juros americanos no radar

Apostas de que o Fed manterá ritmo de aperto monetário acelerado voltam a ganhar força nesta sexta
Painel de cotações na B3 (Germano Lüders/Exame)
Painel de cotações na B3 (Germano Lüders/Exame)
G
Guilherme Guilherme e Beatriz Quesada

Publicado em 19/08/2022 às 10:35.

Última atualização em 19/08/2022 às 17:22.

Após dias de disparada ao longo da semana, o Ibovespa caiu nesta sexta-feira, 19, seguindo as perdas do mercado internacional, conforme investidores aumentam as apostas de que o Federal Reserve (Fed, o banco central americano) será mais duro no controle da inflação.

  • Ibovespa: - 2,04%, 111.496 pontos

Os rendimentos dos títulos americanos avançam, com o treasury com vencimento em 10 anos voltando a beirar a marca de 3% pela primeira vez desde meados de julho.

Para o curto prazo, as apostas de uma nova alta de juros de 0,75 ponto percentual (p.p.) na próxima reunião, em setembro, voltam a ganhar força. A probabilidade, segundo o monitor do CME Group, subiu para 46% nesta sexta, após ter caído durante a semana com efeitos da ata do Fed.

Como pano de fundo do maior pessimismo estão as falas de James Bullard, membro do votante do Comitê de Política Monetária do Fed (Fomc) e presidente do Fed de St. Louis. 

Bullard em entrevista ao WSJ a necessidade de mais uma alta de 0,75 p.p. e que a inflação americana pode não ter atingido o pico, como sinalizaram dados mais recentes. Bullard foi o mesmo que defendeu um ajuste mais duro no início do ciclo de alta do Fomc, enquanto os outros membros optaram por uma elevação de 0,25 ponto percentual. 

Perspectivas de juros mais altos nos Estados Unidos atingiram diretamente as bolsas de valores, que fecharam esta sexta em queda. Índices americanos abriram em queda em Nova York, com o Nasdaq, mais dependente de taxas de juros mais baixas, registrando o pior desempenho do dia.

  • Dow Jones (Nova York): - 0,86%
  • S&P 500 (Nova York): - 1,29%
  • Nasdaq (Nova York): - 2,01%

O tom negativo também atingiu o mercado europeu, onde dados de inflação voltaram a surpreender economistas nesta sexta, depois de uma bateria de números dentro do esperado durante a semana. O sinal de alerta tocou na Alemanha, onde o Índice de Preço ao Produtor (PPI) contrariou o consenso de queda e saltou no acumulado de 12 meses de 32% para 37,2% em julho.

  • Stoxx 600 (Europa): - 0,77%
  • DAX (Frankfurt): - 1,12%

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Ações em destaque

Na bolsa, as ações da Petrobras (PETR3/PETR4) foram o principal impulso negativo para o Ibovespa. Os papéis da estatal aprofundaram as perdas após a assembleia eleger dois membros que já haviam sido rejeitados pelos órgãos de governança da companhia

Entre os eleitos estão o secretário-executivo da Casa Civil, Jônathas de Castro, e o procurador-geral da Fazenda Nacional, Ricardo Soriano.

Eles haviam sido reprovados pelo Comitê de Elegibilidade (Celeg) e pelo então conselho da Petrobras por conflito de interesses, vedado na lei das estatais. Mas o governo ignorou o fato e depositou votos suficientes para eleger os dois indicados.

Outra forte influência negativa vem dos papéis da Vale (VALE3), que caem acompanhando a baixa do minério de ferro no exterior. A commodity sofreu uma nova baixa devido à queda na demanda chinesa.

Em variação, as ações da Locaweb lideraram as quedas, tendo como pano de fundo a maior aversão a ações de tecnologia no exterior. Empresas relacionadas ao turismo, varejistas e construtoras, mais sensíveis às condições macroeconômicas, completaram as maiores perdas do dia. 

Na ponta oposta, a Minerva (BEEF3) liderou as altas do dia entre os 10 papéis que do Ibovespa que encerraram esta sexta-feira em queda.