Ibovespa hoje: bolsa descola do exterior e avança 3% na semana

Nos EUA, payroll acelera em relação a junho e supera o consenso de mercado em mais de 100%
Painel de cotações da B3 (Patricia Monteiro/Bloomberg via/Getty Images)
Painel de cotações da B3 (Patricia Monteiro/Bloomberg via/Getty Images)
G
Guilherme Guilherme e Beatriz Quesada

Publicado em 05/08/2022 às 10:13.

Última atualização em 05/08/2022 às 17:44.

O Ibovespa encerrou esta sexta-feira, 5, em alta, ainda repercutindo a possibilidade do fim do ciclo de aperto monetário no Brasil após a última decisão do Copom. O índice também foi impulsionado pelas maiores ações da carteira teórica do índice – Vale (VALE3), Petrobras (PETR3/PETR4) e grandes bancos –, acumulando alta de 3,1% na semana.

Na máxima, o Ibovespa chegou a superar a marca dos 107 mil pontos, mas perdeu força com a virada para o negativo das bolsas americanas.

Os principais índices americanos encerraram o dia em queda após a divulgação de dados do mercado de trabalho essa manhã. 

O payroll, considerado um dos principais termômetros da economia americana, surpreendeu nesta sexta. 

O dado revelou um número de criação de empregos urbanos muito superior ao esperado para julho: foram 528.000 postos urbanos criados ante consenso de 250.000. A notícia, embora positiva para a economia americana, sinaliza que o ciclo de aperto monetário pode ser mais duro do que o que se esperava por lá.

  • Dow Jones (Nova York): - 0,01%
  • S&P 500 (Nova York): - 0,35%
  • Nasdaq (Nova York): - 0,62%

O payroll reforçou a tese de que ainda é muito cedo para o Federal Reserve (Fed) reduzir o ritmo de alta de juros de 0,75 para 0,50 ponto percentual – como sinalizado na última decisão. 

Logo após a divulgação do payroll, a probabilidade de o Fed manter os 0,75 p.p. de alta em setembro se tornou majoritária, saltando de 40% para próximo de 67%, segundo monitor do CME Group.

"O mercado de trabalho continua forte, o que vai colocar na mesa a chance de o Fed subir em mais 0,75 p.p. a taxa de juros americana. A queda da taxa de desemprego atual significa que quase qualquer pessoa que busque emprego no país está conseguindo e o americano está ganhando – o que não mostra uma tendência de desaceleração da inflação. Com vaga sobrando, aumenta o salário e gera inflação", disse Gustavo Cruz, estrategista da RB Investimentos.

Assine a EXAME e fique por dentro das principais notícias que afetam o seu bolso. Tudo por menos de R$ 0,37/dia

Destaques de ações

Por aqui, o temor nos Estados Unidos não fez preço e as principais ações do índice sustentaram os ganhos. Os papéis da Vale (VALE3), maior ação do Ibovespa, chegaram a subir mais de 2%, impulsionados pela recuperação do minério de ferro. 

A commodity subiu 3,6% na bolsa de Singapura em um movimento de correção após cinco sessões consecutivas de baixa. O minério vem sendo penalizado pela crise imobiliária chinesa, que afeta o preço do aço e a demanda pelo minério.

Siderúrgicas como CSN (CSNA3) e Gerdau (GGBR4) também avançam.

O petróleo também foi corrigido para cima, impulsionando as ações da Petrobras (PETR3/PETR4). Outros papéis ligados à commodity, como a petroquímica Braskem (BRKM5) e as petrolíferas privadas Prio (PRIO3) e 3R Petroleum (RRRP3), ficaram entre as maiores altas do dia.

Entre os bancos, o Itaú (ITUB4), que divulga seu balanço do segundo trimestre na próxima segunda-feira, 8, subiu quase 2%. O Bradesco (BBDC4) apresentou seus resultados na véspera e surpreendeu o mercado, superando as estimativas de lucro recorrente.

A ponta negativa do índice foi liderada por ações de empresas mais dependentes de juros baixos, como as do setor de tecnologia e varejo, que sofrem com a piora do humor global. 

Vale lembrar também que elas estiveram entre as maiores altas do último pregão, impulsionadas justamente pela perspectiva contrária para a economia brasileira: de que o Banco Central do Brasil está próximo de encerrar seu ciclo de alta de juros. Hoje, esses papéis devolveram parte dos ganhos.

No caso de Alpargatas (ALPA4) e Fleury (FLRY3), investidores reagiram aos balanços das companhias para o segundo trimestre. A Alpargatas registrou queda de margem bruta e margem Ebitda na comparação anual, apesar do aumento de receita consolidada

Fleury recuou apesar de receita trimestral recorde no último balanço.

Veja também