Elon Musk confirma compra do Twitter (TWTR34) e ações são suspensas em Nova York

O bilionário tinha apresentado a oferta no começo do ano, mas acabou desistindo alegando irregularidades por parte da rede social
O CEO da Tesla, Elon Musk (Ted Talk/Reprodução)
O CEO da Tesla, Elon Musk (Ted Talk/Reprodução)
Carlo Cauti
Carlo Cauti

Publicado em 04/10/2022 às 13:46.

Última atualização em 04/10/2022 às 14:03.

O bilionário Elon Musk teria confirmado nesta terça-feira, 4, o interesse em adquirir o controle do Twitter (TWTR34) por US$ 44 bilhões.

A informação foi divulgada pela Bloomberg, e provocou a interrupção das negociações das ações do Twitter na Bolsa de Valores de Nova York (NYSE).

Musk tinha apresentado a oferta de compra no início deste ano, mas rapidamente desistiu da operação, alegando irregularidades por parte do Twitter em comunicar o número de contas falsas presentes na plataforma.

O Twitter, por sua vez, respondeu judicializando o caso, e os dois lado teriam de se apresentar em frente a uma corte do Delaware no dia 17 de outubro.

Caso a compra seja confirmada, Musk pagaria US$ 54,20 por ação do Twitter.

Desde o começo do ano, os papéis do Twitter valorizaram cerca de 15%, passando de cerca de US$ 41 para US$ 47. Na sessão desta terça-feira, antes da suspensão das negociações, o papel tinha valorizado mais de 12%.

Entenda a disputa entre o Twitter (TWTR34) e Elon Musk

Musk alegou que o Twitter estava deturpando o número de “bots” em sua plataforma como uma das razões da desistência do acordo. Ele e seus advogados alegaram que a empresa de mídia social estava enganando os investidores ao fornecer números falsos em registros corporativos na Securities and Exchange Commission (SEC), a Comissão de Valores Mobiliários (CVM) dos Estados Unidos.

O Twitter respondeu, no entanto, que as afirmações de fraude de Musk estavam incorretas e se baseavam em um mal-entendido sobre a maneira como a empresa contabiliza bots e contas falsas em sua plataforma.