Invest

O que são herdeiros necessários? Entenda neste artigo

Consultar um advogado especializado em direito sucessório pode ajudar a planejar a distribuição de bens

A existência dos herdeiros necessários visa proteger a família (Mukhina1/Thinkstock)

A existência dos herdeiros necessários visa proteger a família (Mukhina1/Thinkstock)

Publicado em 24 de junho de 2024 às 18h23.

No direito sucessório brasileiro, o conceito de herdeiros necessários desempenha um papel crucial na distribuição de bens de uma pessoa falecida. Essas pessoas têm direitos garantidos por lei sobre a herança, independentemente das disposições de testamentos. Neste artigo, exploramos o que são herdeiros necessários, quem se enquadra nessa categoria e a importância de conhecer esses direitos.

Definição de herdeiros necessários

Herdeiros necessários são aqueles que possuem direito a uma parcela mínima da herança, conhecida como legítima. A legislação brasileira protege esses herdeiros, garantindo que recebam uma parte do patrimônio do falecido, mesmo que haja um testamento em contrário.

Quem são os herdeiros necessários?

De acordo com o Código Civil Brasileiro, os herdeiros necessários são:

  1. Descendentes: Filhos, netos e bisnetos.
  2. Ascendentes: Pais, avós e bisavós.
  3. Cônjuge: Marido ou esposa, desde que estejam casados no momento do falecimento.

Direitos dos herdeiros necessários

Os herdeiros necessários têm direito a uma parte da herança, chamada legítima, que corresponde a metade do patrimônio do falecido. A outra metade, denominada disponível, pode ser distribuída conforme a vontade expressa no testamento.

Os herdeiros necessários não podem ser privados de sua parte legítima, exceto em casos específicos previstos em lei, como a deserdação por motivos graves.

Quando um Herdeiro Legítimo Pode Ficar Fora da Herança

No direito sucessório brasileiro, herdeiros necessários possuem direitos garantidos por lei sobre a herança. No entanto, existem situações específicas em que um herdeiro legítimo pode ser excluído da herança. Essas situações são reguladas pelo Código Civil Brasileiro e envolvem casos de deserdação e indignidade.

Deserdação

A deserdação é um ato formal, realizado através de testamento, pelo qual o testador exclui um herdeiro necessário da sucessão. Para que a deserdação seja válida, é necessário que o testador declare explicitamente a causa da exclusão no testamento, e essa causa deve estar prevista em lei.

  • Causas de deserdação: As causas de deserdação estão previstas nos artigos 1.961 a 1.965 do Código Civil Brasileiro e incluem atos como:
    • Ofensa física ao testador.
    • Injúria grave ao testador.
    • Relações ilícitas com a madrasta ou padrasto.
    • Desamparo do testador quando este estiver em alienação mental ou grave enfermidade.

Indignidade

A indignidade é outra forma de exclusão da herança, mas, ao contrário da deserdação, não depende de um testamento. A indignidade deve ser declarada judicialmente, após a abertura da sucessão. Um herdeiro é considerado indigno quando pratica atos considerados gravemente ofensivos contra o falecido ou contra a sua honra.

  • Causas de indignidade: As causas de indignidade estão previstas nos artigos 1.814 a 1.816 do Código Civil Brasileiro e incluem atos como:
    • Tentativa de homicídio contra o autor da herança, seu cônjuge, companheiro, ascendente ou descendente.
    • Acusação caluniosa contra o autor da herança de crime que possa levar à pena de reclusão.
    • Violência ou coação para que o autor da herança faça, modifique ou revogue o testamento.

Processo judicial

Para que um herdeiro seja excluído da herança por indignidade, é necessário um processo judicial, onde será avaliada a prática do ato indigno. Esse processo pode ser iniciado por qualquer interessado na sucessão, como outros herdeiros ou o Ministério Público.

  • Declaração de indignidade: O processo judicial deve comprovar a prática do ato indigno e, uma vez declarado, o herdeiro indigno é excluído da sucessão e perde todos os direitos à herança.
  • Efeitos da exclusão: A exclusão por indignidade ou deserdação faz com que o herdeiro perca o direito à herança, que é redistribuída entre os demais herdeiros.

Reintegração do herdeiro excluído

Em alguns casos, o herdeiro excluído pode ser reintegrado à herança se houver reconciliação com o testador ou se o ato indigno for perdoado antes do falecimento do autor da herança.

  • Reconciliação: O herdeiro pode ser reintegrado se o testador perdoar formalmente o ato indigno.
  • Perdão expresso: Deve ser declarado em documento autêntico ou em testamento.

Importância dos herdeiros necessários

A existência dos herdeiros necessários visa proteger a família e garantir que uma parte significativa do patrimônio seja preservada para aqueles que possuem uma relação direta de dependência ou parentesco com o falecido.

  • Proteção familiar: Assegura que os bens do falecido sejam destinados aos membros da família, preservando a segurança financeira dos descendentes, ascendentes e cônjuge.
  • Equidade na distribuição de bens: Evita que toda a herança seja desviada para terceiros, mantendo uma parte substancial dentro do núcleo familiar.

Implicações legais

Entender quem são os herdeiros necessários e seus direitos é fundamental para o planejamento sucessório e a elaboração de um testamento. Ignorar esses direitos pode resultar em disputas judiciais e na anulação de disposições testamentárias que desrespeitem a legítima.

  • Planejamento sucessório: Consultar um advogado especializado em direito sucessório pode ajudar a planejar a distribuição de bens de forma justa e legalmente segura.
  • Conflitos familiares: Reconhecer e respeitar os direitos dos herdeiros necessários pode minimizar conflitos e litígios entre os familiares após o falecimento.
Acompanhe tudo sobre:HerdeirosGuia de InvestimentosSucessão

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena concurso 2750: prêmio acumulado é de R$ 45 milhões

A bolsa da América do Sul que pode ser uma das mais beneficiadas pela IA

Magnificent 7: o papel das gigantes de tecnologia na estratégia de investimento

Ibovespa fecha em queda com incertezas fiscais no radar; dólar sobe para R$ 5,59

Mais na Exame