Mercado imobiliário

Quando a casa é de herança, o cônjuge tem direito?

Além da partilha de bens em caso de divórcio, é importante entender os direitos do cônjuge na sucessão

Para evitar conflitos, é recomendável realizar um planejamento sucessório (Getty/Getty Images)

Para evitar conflitos, é recomendável realizar um planejamento sucessório (Getty/Getty Images)

Publicado em 19 de junho de 2024 às 11h41.

Tudo sobreGuia do Mercado Imobiliário
Saiba mais

O processo de herança pode gerar muitas dúvidas e conflitos, especialmente quando envolve o cônjuge sobrevivente. Uma das perguntas mais comuns é: quando a casa é de herança, o cônjuge tem direito a ela? Neste artigo, exploramos as regras legais que determinam os direitos do cônjuge sobre bens herdados, com base na legislação brasileira. Entenda como funciona a partilha de herança e quais são as implicações para o cônjuge no regime de comunhão parcial de bens e outros regimes.

Regime de bens e herança

Os direitos do cônjuge sobre bens herdados dependem diretamente do regime de bens adotado no casamento. No Brasil, os principais regimes de bens são comunhão parcial, comunhão universal, separação total e participação final nos aquestos.

Comunhão parcial de bens

No regime de comunhão parcial de bens, que é o mais comum no Brasil, apenas os bens adquiridos durante o casamento são considerados comuns ao casal. Bens recebidos por herança ou doação não são partilhados, permanecendo como patrimônio exclusivo do cônjuge que os recebeu.

  • Exemplo: Se um dos cônjuges recebe uma casa como herança, essa casa não será partilhada com o outro cônjuge em caso de divórcio, pois é considerada um bem particular.

Comunhão universal de bens

No regime de comunhão universal de bens, todos os bens adquiridos antes e durante o casamento, assim como os recebidos por herança ou doação, são partilhados entre os cônjuges.

  • Exemplo: Se um dos cônjuges recebe uma casa como herança, essa casa será partilhada com o outro cônjuge em caso de divórcio, pois é considerada um bem comum.

Separação total de bens

No regime de separação total de bens, cada cônjuge mantém a propriedade exclusiva dos bens adquiridos antes e durante o casamento. Bens herdados ou recebidos por doação também permanecem como propriedade exclusiva do cônjuge que os recebeu.

  • Exemplo: Se um dos cônjuges recebe uma casa como herança, essa casa não será partilhada com o outro cônjuge em caso de divórcio, pois é considerada um bem particular.

Participação final nos aquestos

No regime de participação final nos aquestos, cada cônjuge possui bens próprios durante o casamento, mas em caso de divórcio, os bens adquiridos onerosamente durante a união são partilhados. No entanto, bens herdados ou recebidos por doação não são partilhados.

  • Exemplo: Se um dos cônjuges recebe uma casa como herança, essa casa não será partilhada com o outro cônjuge em caso de divórcio, pois é considerada um bem particular.

Direitos do cônjuge na sucessão

Além da partilha de bens em caso de divórcio, é importante entender os direitos do cônjuge na sucessão, ou seja, quando ocorre o falecimento de um dos cônjuges.

Cônjuge como herdeiro necessário

De acordo com o Código Civil Brasileiro, o cônjuge é considerado herdeiro necessário, junto com os descendentes (filhos, netos) e ascendentes (pais, avós). Isso significa que o cônjuge tem direito a uma parte da herança, mesmo que o falecido tenha deixado um testamento.

Meação e herança

No regime de comunhão parcial de bens, o cônjuge sobrevivente tem direito à meação (metade dos bens comuns do casal) e também à herança dos bens particulares do falecido.

  • Exemplo: Se o cônjuge falecido deixou uma casa como herança, a metade dessa casa será destinada aos herdeiros (incluindo o cônjuge sobrevivente, se não houver testamento), além da meação dos bens comuns.

Planejamento sucessório

Para evitar conflitos e garantir que os desejos dos cônjuges sejam respeitados, é recomendável realizar um planejamento sucessório.

  • Testamento: Um testamento pode ajudar a definir claramente como os bens devem ser distribuídos, evitando disputas.
  • Pacto antenupcial: Estabelecer um pacto antenupcial pode definir claramente o regime de bens e proteger o patrimônio de ambos os cônjuges.
  • Consultoria jurídica: Consultar um advogado especializado em direito de família e sucessões pode ajudar a esclarecer dúvidas e planejar a sucessão de forma eficaz.

Por que é importante você saber sobre herança

Entender os direitos do cônjuge sobre bens herdados é essencial para garantir uma partilha justa e evitar conflitos familiares. No Brasil, os direitos variam conforme o regime de bens adotado no casamento e as disposições legais.

Acompanhe tudo sobre:HerançaGuia do Mercado ImobiliárioMercado imobiliário

Mais de Mercado imobiliário

Leilão da Caixa tem imóveis com descontos de até 40%; veja como participar

Imóvel de herança: uma das herdeiras é contra a venda. Podemos vender e depositar para ela o valor?

‘Agora, o Morumbi será nobre’: conheça a incorporadora que quer trazer ao bairro uma função social

Veja os três bairros de São Paulo em que a cobrança de aluguel é mais distante do ideal

Mais na Exame