Invest

Planejamento financeiro: Saiba o que é e como organizar seus investimentos e gastos para 2024

Saiba como fazer um bom planejamento financeiro em 2024 e livre-se das dívidas

Analista de planejamento financeiro (Thinkstock/VikZa/Thinkstock)

Analista de planejamento financeiro (Thinkstock/VikZa/Thinkstock)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 18 de dezembro de 2023 às 17h00.

Última atualização em 19 de dezembro de 2023 às 14h32.

Em um mundo em constante evolução, compreender o planejamento financeiro é essencial para alcançar estabilidade e prosperidade.

ONDE INVESTIR EM 2024: Acesse o relatório gratuito com as melhores oportunidades para 2024 de acordo o BTG Pactual

Este artigo explora estratégias práticas e recomendações fundamentais, focando em lições valiosas para orientar suas decisões financeiras ao longo do ano. Confira também 4 livros de finanças que podem ajudar nos seus planos financeiros.

O que é um planejamento financeiro?

O planejamento financeiro é uma abordagem estratégica e proativa para gerenciar recursos financeiros de maneira eficaz, seja em âmbito pessoal ou empresarial.

Ele envolve a análise detalhada das finanças, a definição de metas claras e a criação de um roteiro para alcançar esses objetivos.

No contexto pessoal, o planejamento financeiro inclui a avaliação das receitas, despesas, dívidas e investimentos. Inicia-se pela criação de um orçamento que reflete os gastos e as metas financeiras, permitindo uma visão clara da situação atual e futura.

A alocação adequada de recursos, a criação de uma reserva para emergências e a busca por investimentos alinhados aos objetivos são aspectos cruciais desse processo. Buscar novas formas de juntar dinheiro podem contribuir nessa jornada.

Para as empresas, o planejamento financeiro é uma ferramenta indispensável para garantir sustentabilidade e crescimento. Inclui a elaboração de orçamentos corporativos, projeções financeiras e estratégias para gerenciar fluxo de caixa.

Essa abordagem permite que as organizações antecipem desafios, otimizem recursos e tomem decisões informadas para maximizar o desempenho financeiro.

Como montar um planejamento financeiro?

Montar um planejamento financeiro eficaz é uma jornada que requer atenção e disciplina. Inicie avaliando cuidadosamente sua situação financeira atual. Examine todas as fontes de renda, analise extratos bancários e categorize despesas para obter uma visão clara.

Com base nessa compreensão, estabeleça metas financeiras realistas e mensuráveis, seja para criar uma reserva de emergência, quitar dívidas ou planejar investimentos futuros (por exemplo: juntar R$4 mil em 3 meses, ou até mesmo mais dinheiro).

Desenvolva um orçamento detalhado, alocando recursos para diferentes categorias de despesas e garantindo que estas não ultrapassem a receita disponível.

Priorize gastos, identificando áreas onde é possível reduzir despesas sem comprometer necessidades essenciais. Construa uma reserva financeira para enfrentar imprevistos, proporcionando uma rede de segurança em momentos desafiadores.

Explore opções de investimento alinhadas às metas de longo prazo, e considere buscar orientação de profissionais financeiros quando necessário. Revisite e ajuste regularmente o plano financeiro, adaptando-o a mudanças na vida pessoal ou no cenário econômico.

Ao seguir essas etapas, você construirá um planejamento financeiro sólido, promovendo estabilidade e o alcance de suas metas financeiras de maneira sustentável.

ONDE INVESTIR EM 2024: Acesse o relatório gratuito com as melhores oportunidades para 2024 de acordo o BTG Pactual

Controle de gastos

O primeiro passo de como fazer um planejamento financeiro é controlar os gastos, que é algo que deriva da mudança de comportamentos habituais. Nesse contexto, é preciso manter um equilíbrio entre o que é realmente necessário e o que não é tão importante ou supérfluo para destinar o dinheiro.

Por isso, não se trata apenas de estudar um método que te leve a um bom planejamento financeiro, mas entender que é necessária uma boa disciplina, além de muita vontade para colocar os novos hábitos de controle de gastos em prática. 

Para ter um bom planejamento financeiro, é preciso ter um maior controle dos dados e informações. Nesse sentido, é fundamental uma reflexão sobre autoconhecimento, avaliando a situação financeira atual, e colocando em um caderno ou planilha todos os seus gastos fixos e eventuais despesas extras. 

Há também uma série de aplicativos que auxiliam neste controle. Contudo, uma planilha de Excel, por exemplo, pode ser uma alternativa eficiente para se usar como planejador financeiro pessoal.

Planejar metas

Feito o levantamento de dados, é importante entender o que se busca com esse planejamento financeiro. Com isso, duas perguntas pertinentes são: “qual seu objetivo de curto, médio e longo prazo?” e “como pretende viver os próximos anos?”

Dessa forma, refletir sobre essas questões pode trazer objetivos mais práticos que podem ser melhor trabalhados durante esse planejamento financeiro. 

O sonho da casa própria, por exemplo, pode ser um desses objetivos. Assim, é possível calcular quanto precisa para adquirir o imóvel dos sonhos e, a partir disso, passar a trabalhar em cima desse plano. 

Entendendo seus objetivos pessoais e o que pode ser alcançado posteriormente, permite compreender melhor qual a importância do planejamento financeiro.

Quitar dívidas

Uma das dicas para se ter um bom planejamento financeiro também é uma das bases da educação financeira: não gastar mais do que se ganha e evitar dívidas. Em outras palavras, o seu estilo de vida deve ser condizente com seus recursos recebidos de forma periódica.

O cartão de crédito, por exemplo, pode ser um dos aliados do consumidor consciente e comprometido com seu planejamento financeiro. Por outro lado, deixar a fatura atrasada e pagar altos juros cobrados por eventuais acordos e atrasos pode atrapalhar o plano, além de possibilitar a geração de dívidas.

Alguns empréstimos pessoais e financiamentos com juros abusivos podem não só impactar no seguimento do planejamento financeiro, mas também gerar pendências relevantes.

Assim, quitar dívidas deve ser um dos primeiros objetivos a serem alcançados. Mas, além disso, evitar novas dívidas também é fundamental para seguir o plano com mais tranquilidade.

Poupar e ter uma reserva financeira

Embora um planejamento financeiro possa compreender períodos de curto e médio prazo, ter um pensamento de longo prazo é importante quando se fala em organização financeira. Pois, o foco na construção de patrimônio só é possível com consistência e paciência. Para isso, é necessário criar o hábito de poupar dinheiro.

A partir do momento que se tem novos hábitos e se consegue poupar dinheiro, é importante que se construa uma reserva de emergência, já que, pensando no longo prazo, eventualidades podem ocorrer, em que sejam necessários gastos imprevisíveis.

Possuir alternativas de fonte de renda enquanto se evita o pagamento de juros ou taxas provenientes de empréstimos é importante para o foco no longo prazo. Uma vez que isso se torna um hábito e os frutos desse comportamento só são mais bem percebidos após passado algum tempo e não necessariamente de forma imediata. 

Investir de forma inteligente 

Para ser realizado um bom planejamento financeiro, também é preciso investir de forma inteligente, de modo a entender a dinâmica de mercado. Nesse caso, é importante entender a influência da curva de juros e o cenário macroeconômico para a tomada de decisão nos investimentos. 

Quando os juros estão altos, “emprestar” dinheiro para o governo ou companhias privadas, via títulos públicos ou títulos de crédito privado pode ser uma das alternativas, ou seja, em investimentos de renda fixa

Já quando os juros estão baixos, existem mais oportunidades na renda variável, como fundos imobiliários e ações, uma vez que o custo de oportunidade para renda fixa se torna menos interessante nesse contexto. Além disso, pode ser um ótimo momento para dar uma boa entrada e financiar um imóvel próprio a juros baixos. 

Assim, dado os eventos econômicos e a incerteza que eles criam, juntar essas “peças do quebra-cabeça” é uma parte fundamental para obter uma imagem melhor do quadro geral. Portanto, pode-se desenvolver um plano mais sólido de como devemos gastar/poupar o dinheiro e escolher melhores investimentos em diferentes cenários.

Como o mercado é imprevisível e existem diferentes cenários que muitas vezes não podem ser antecipados, construir uma carteira de investimentos diversificada é a melhor opção. Assim, é possível gerenciar os riscos e estar preparado para contextos econômicos diversos.

A gerência de gastos, assim como os investimentos e o desempenho da carteira podem ser juntamente analisados em uma única planilha de planejamento financeiro, tornando o processo mais simples de ser analisado e seguido.

A disciplina financeira é a base de qualquer planejamento. Começar a se organizar quanto antes e administrar bem o dinheiro não apenas evita problemas futuros, mas gera melhores retornos financeiros.

Qual a importância do planejamento financeiro?

A importância do planejamento financeiro é fundamental para a construção de bases sólidas em direção à estabilidade e prosperidade.

Ele funciona como uma bússola que guia indivíduos e organizações na gestão eficiente dos recursos, evitando armadilhas financeiras e maximizando oportunidades.

Ao nível pessoal, o planejamento financeiro possibilita o alcance de metas específicas, sejam elas a compra de uma casa, a educação dos filhos ou a aposentadoria tranquila.

Ele proporciona uma visão clara das finanças, permitindo a identificação e eliminação de gastos desnecessários, o estabelecimento de orçamentos realistas e a construção de uma reserva para emergências.

No âmbito empresarial, o planejamento financeiro é crucial para a sustentabilidade e crescimento. Permite a antecipação de desafios, otimiza o fluxo de caixa, facilita a tomada de decisões estratégicas e viabiliza investimentos que impulsionam o desenvolvimento do negócio.

Em ambos os casos, o planejamento financeiro não apenas previne crises e endividamentos, mas também promove uma abordagem proativa em relação ao dinheiro.

É a ferramenta que transforma sonhos em metas realizáveis e proporciona tranquilidade financeira, tornando-se, assim, um pilar essencial para o sucesso a longo prazo.

ONDE INVESTIR EM 2024: Acesse o relatório gratuito com as melhores oportunidades para 2024 de acordo o BTG Pactual

4 livros sobre finanças para ler em 2024

Investir tempo na leitura é uma maneira valiosa de adquirir insights sobre a gestão de dinheiro e criar uma base sólida para o sucesso financeiro.

Aqui estão quatro livros sobre finanças que merecem destaque em sua lista de leitura em 2024:

1. Casais Inteligentes Enriquecem Juntos, de Gustavo Cerbasi

Este livro oferece orientações valiosas sobre como casais podem tomar decisões financeiras conjuntas e alcançar a prosperidade juntos.

Gustavo Cerbasi aborda questões práticas das finanças pessoais, como orçamento familiar, investimentos e a importância da transparência financeira no relacionamento.

Ao incentivar a comunicação aberta sobre dinheiro, Cerbasi fortalece a base emocional dos relacionamentos, mitigando conflitos financeiros comuns. 

“Casais Inteligentes Enriquecem Juntos" transcende a abordagem técnica, proporcionando uma visão holística que reconhece a interconexão entre vida emocional e estabilidade financeira. 

2. Pai Rico, Pai Pobre, de Robert T. Kiyosaki

"Pai Rico, Pai Pobre", escrito por Robert T. Kiyosaki, é um best-seller financeiro. Kiyosaki compartilha sua experiência única, contrastando a educação financeira recebida de seu "pai pobre" (seu pai biológico) com os ensinamentos de seu "pai rico" (o pai de seu melhor amigo).

O livro destaca a importância de pensar de forma independente sobre dinheiro, investir em ativos que gerem renda passiva e adotar uma mentalidade empreendedora.

Kiyosaki argumenta que a educação financeira tradicional muitas vezes negligencia princípios essenciais para a construção de riqueza.

Sua abordagem e histórias pessoais cativantes tornaram "Pai Rico, Pai Pobre" uma fonte inspiradora para milhões, incentivando os leitores a questionar e redefinir suas crenças sobre dinheiro e sucesso financeiro.

3. Psicologia Financeira, de Morgan Housel

Explorando a interseção entre finanças e comportamento humano, Morgan Housel mergulha nas complexidades psicológicas por trás das decisões financeiras.

Este livro proporciona uma compreensão profunda de como as emoções influenciam as escolhas financeiras e como podemos tomar decisões mais informadas, sendo um grande livro de finanças comportamentais.

Housel destaca como a ganância, o medo e outros fatores emocionais influenciam decisões de investimento e como compreender essas nuances é crucial para o sucesso financeiro. 

A obra capacita os leitores a desenvolver uma mentalidade mais informada e resistente diante das complexidades do mundo financeiro, promovendo uma abordagem mais equilibrada e sensata para lidar com o dinheiro.

4. Os Segredos da Mente Milionária, de T. Harv Eker

  1. Harv Eker explora as mentalidades e comportamentos que distinguem os milionários dos demais.

Este livro destaca a importância de cultivar uma mentalidade positiva em relação ao dinheiro, identificando e superando crenças limitantes que podem impedir o progresso financeiro.

Você quer saber mais sobre como se planejar financeiramente do jeito certo? Então leia nossos outros artigos abaixo para saber mais:

Foi possível entender como fazer um planejamento financeiro? Acompanhe outros conteúdos do nosso Guia de Investimentos:

Acompanhe tudo sobre:planejamento-financeiro-pessoaldicas-de-financas-pessoaisGuia de Investimentos

Mais de Invest

Veja o resultado da Mega-Sena, concurso 2735; prêmio acumulado é de R$ 35 milhões

Política fiscal virou refém do governo, diz Verde

Mega-Sena sorteia nesta terça-feira prêmio de R$ 35 milhões

Caixa abre cadastro de imóveis que serão comprados pelo governo e doados a famílias do RS

Mais na Exame