Inteligência Artificial

As ações nada óbvias que podem se beneficiar pelo boom da IA

Goldman Sachs compartilhou lista com 50 ações que devem "bombar" daqui para frente

Jornal icônico foi apontado como um dos beneficiários pelo boom da IA (Leandro Fonseca / EXAME)

Jornal icônico foi apontado como um dos beneficiários pelo boom da IA (Leandro Fonseca / EXAME)

Publicado em 19 de junho de 2024 às 09h38.

Última atualização em 20 de junho de 2024 às 13h50.

Os investidores ainda têm um apetite grande por IA, ainda mais depois que Nvidia tornou-se empresa mais valiosa do mundo. Desde o final de 2022, suas ações subiram nove vezes, para US$ 135, elevando seu valor de mercado para mais de US$ 3,3 trilhões, o que é mais do que o da Amazon e Meta combinadas.

Mas será que apenas ações ligadas à IA vão ser boas opções de investimento nesse boom da tecnologia? Segundo o Goldman Sachs, não.

O banco compartilhou uma lista de 50 ações, divulgada pelo Business Insider, de todos os setores que aumentarão seus ganhos usando IA para aumentar a produtividade e, ao mesmo tempo, reduzir custos . Todas essas empresas, exceto 13, estão fora do setor tecnológico, que é amplamente visto pelos investidores como o beneficiário mais óbvio da IA.

Entre as primeiras colocadas do ranking estão empresas como o The New York Times, News Corp, Kohls (loja de departamentos), Walmart, Walgreens e Costco.

Fases do boom da IA

Haverá quatro fases principais do boom da IA, escreveu David Kostin, estrategista-chefe de ações da Goldman Sachs nos EUA, numa nota.

A primeira fase é exclusivamente sobre a Nvidia, que fabrica os chips que ajudam os data centers a processar tarefas relacionadas à IA. As ações estão tão aquecidas que seu retorno em seis meses já está perto de 30 pontos percentuais.

A segunda fase concentra-se em empresas que constroem infraestruturas de IA nos setores de semicondutores, data centers, redes, nuvem e segurança, bem como em serviços públicos. Estas empresas lançam as bases para a IA ao conceber circuitos integrados, fabricar chips e unidades de memória, operar centros de dados que alimentam modelos de IA, armazenar dados ou fornecer eletricidade.

Embora as ações de infraestruturas de IA em geral não tenham se valorizado tanto neste ano, seus retornos são bem maiores que os da terceira fase, que são empresas que podem colocar IA nos seus produtos para aumentar as vendas. Na verdade, esses "pretensos vencedores" da IA ​​perderam terreno nos últimos seis meses, observou Kostin.

As ações na quarta fase – que podem potencialmente desfrutar de ganhos de produtividade após a adoção da IA ​​– também não alcançaram esse descolamento. Mas são esses papéis que ganharam destaque na análise do Goldman.

Os fracos retornos relativos das ações que estão nessa quarta fase de ciclo de desenvolvimento da IA ​​mostram que os investidores ainda não estão concentrados em vencedores menos óbvios da IA. Não está claro quando essas empresas irão recuperar e expandir seus lucros, mas o banco acredita que isso acabará por acontecer.

Acompanhe tudo sobre:Inteligência artificial

Mais de Inteligência Artificial

Loft apresenta simulador com IA no WhatsApp que encurta prazo de financiamento de 60 para 30 dias

OpenAI lança GPT-4o Mini, um modelo mais leve e acessível para desenvolvedores

O Brasil entre a inovação e a colonização digital

Nova IA na China deverá conter 'valores socialistas', diz Financial Times; entenda

Mais na Exame