Taxa de hash da rede Bitcoin se aproxima de recorde e pode impactar preço

Dado mostra que o poder computacional do bitcoin vem subindo consideravelmente e já está no patamar anterior à proibição da mineração na China

Cerca de três meses depois que a China proibiu a mineração de bitcoin, o poder computacional do principal blockchain do mundo está perto de atingir um novo recorde. O dado aponta que a pressão do governo chinês contra a atividade não afetou a rede Bitcoin como muitos imaginavam que aconteceria — e a alta do poder computacional do bitcoin pode ter impacto direto no seu preço.

O poder computacional da rede, medido por uma taxa chamada "hashrate", é um indicador que aponta quantidade de cálculos, verificações e validações que as máquinas conectadas ao blockchain conseguem processar por segundo na rede Bitcoin. Quanto maior a hashrate, maior o número de computadores conectados à rede e, portanto, maior sua descentralização, sua segurança e também a velocidade das transações.

Além de ser uma importante medida para a "saúde" da rede, a hashrate também é um importante indicativo da atividade de mineração de bitcoin — e, não por acaso, o número despencou quando a China proibiu a atividade, já que o país era responsável pela maioria do poder computacional na rede Bitcoin.

No entanto, com uma migração rápida para outros países, a hashrate do bitcoin já voltou aos patamares de antes da proibição e, agora, está a caminho de quebrar o recorde registrado em abril, quando chegou a 198 hexahashes por segundo (EH/s). No último final de semana, o número chegou a 181 EH/s, depois de atingir a mínima do ano de 61 EH/s em julho — os dados são da Glassnode.

Assim, a alta das últimas semanas mostra que a rede Bitcoin passou imune à pressão do governo chinês e já se adaptou à uma nova realidade, com mineradores de bitcoin baseados em outras regiões. Mas, além da "saúde" do blockchain, o aumento da hashrate também pode indicar uma possível alta no preço da criptomoeda.

Preço versus hashrate

Quando sobrepostos, os gráficos do preço e da hashrate do bitcoin são muito parecidos (veja abaixo). A correlação entre ambos é indiscutível, mas suas causas — ou se de fato existem alguma causa — ainda não são totalmente claras.

Sobreposição de gráficos mostra semelhança de comportamento entre preço e hashrate do bitcoin (Fonte: Reprodução/Glassnode)

Sobreposição de gráficos mostra semelhança de comportamento entre preço e hashrate do bitcoin (Fonte: Reprodução/Glassnode) (/)

A explicação mais óbvia se apoia no fato de que, quando o preço da criptomoeda sobe, a mineração é mais lucrativa e, como consequência, mais poder computacional entra na briga por uma fatia do bolo. Quando o preço cai, a atividade fica menos rentável e alguns mineradores passam a concentrar esforços em outros ativos digitais ou simplesmente desligam parte da operação para reduzir custos.

No entanto, nem sempre este é o fator preponderante, e muitos especialistas afirmam que são necessários mais alguns anos de análise dos dados até uma resposta definitiva.

Há quem diga, por exemplo, que se a hashrate está subindo e o preço do bitcoin também, isso pode significar que os mineradores estão se antecipando ao movimento de alta para continuarem operando e estão emitindo criptomoedas para se beneficiar nas faixas de preço mais altas.

Se relação entre preço e hasrate do bitcoin ainda é uma adaptação do debate sobre o ovo e a galinha no universo dos criptoativos, o fato é que o poder computacional da rede bitcoin se aproxima de um novo recorde, e é importante estar atento para possíveis impactos de preço nos próximos dias.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também