Gemini capta US$ 400 milhões para construir metaverso descentralizado

Após rodada de investimentos milionária, os gêmeos Winklevoss têm grandes planos para o futuro de sua corretora de criptomoedas em diferentes metaversos

A Gemini, exchange de criptomoedas dos gêmeos Winklevoss, alocará o capital de sua rodada de investimentos de 400 milhões de dólares para a construção de uma "experiência no estilo Gemini em diferentes metaversos".

A Gemini anunciou que fechou uma rodada de investimento para crescimento de capital de 400 milhões de dólares com um valuation de 7,1 bilhões de dólares na quinta-feira, 18, marcando a primeira vez que a empresa buscou financiamento externo. A Morgan Creek Digital liderou a rodada com a participação da 10T, ParaFi, Newflow Partners e Marcy Venture Partners, para citar alguns.

Notavelmente, o Commonwealth Bank of Australia, que também fez parceria com a Gemini para lançar os primeiros serviços de comércio de criptomoedas oferecidos por quatro grandes bancos australianos, também apoiou a rodada.

“Com esta rodada de investimento, a Gemini continuará a trazer produtos simples, inovadores e seguros para o mercado, e avançará sua expansão geográfica”, dizia o anúncio.

Durante uma entrevista publicada pela Forbes na quinta-feira, 18, Tyler e Cameron Winklevoss delinearam seus planos para expandir o alcance da Gemini no metaverso.

Tyler observou que, em vez de construir várias "filiais no espaço comercial", a empresa pretende se espalhar por vários metaversos:

“Vamos construir uma experiência no estilo da Gemini em diferentes metaversos, onde você pode ir para a Gemini e negociar, mas seria imersivo em vez de no seu telefone.”
De acordo com a Forbes, os gêmeos manterão 75% da propriedade da Gemini, com o sócio-geral da Morgan Creek, Sachin Jaitly, se juntando ao conselho de administração como parte do investimento de 75 milhões de dólares de sua empresa na plataforma de criptomoedas.

A mudança mais uma vez colocará a dupla em competição com Mark Zuckerberg, com quem eles lutaram no tribunal pela propriedade do Facebook há mais de uma década. Os gêmeos processaram Zuckerberg em 2004, alegando que ele roubou sua propriedade intelectual para criar o Facebook, e entraram em um acordo no tribunal em 2011 por 65 milhões de dólares.

Cameron enfatizou à Forbes que, ao contrário do roteiro centralizado para o metaverso de empresas "como Facebook ou Fortnite", a Gemini está buscando a rota descentralizada por acreditar que ela oferece maior vantagem para o usuário:
“Mas há outro caminho, que é o metaverso descentralizado e esse é o metaverso, onde acreditamos que há maior escolha, independência e oportunidade, e há tecnologia que protege os direitos e a dignidade dos indivíduos.”

“A descentralização é um espectro”, acrescentou Cameron, observando que “queremos continuar a avançar no espectro em direção ao empoderamento”.

Os gêmeos compraram lotes de terra no metaverso The Sandbox no início de abril, com Tyler observando na época que o plano era instalar a exchange de criptomoedas Gemini e o marketplace de tokens não fungíveis Nifty Gateway no mundo virtual focado em play-to-earn.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também