Future of Money

Clientes processam FTX e querem R$ 40 bilhões após críticas a plano de ressarcimento

Vítimas de falência da segunda maior corretora de criptomoedas do mundo destacaram problemas no pagamento de criptomoedas perdidas

FTX declarou falência em novembro de 2022 (Reuters/Reuters)

FTX declarou falência em novembro de 2022 (Reuters/Reuters)

Da Redação
Da Redação

Redação Exame

Publicado em 18 de junho de 2024 às 10h22.

Ex-clientes vítimas da falência da FTX decidiram processar a corretora de criptomoedas, acusando a empresa de prejudicar novamente os antigos investidores com o seu plano de ressarcimento. O processo, aberto nos Estados Unidos, demanda que a exchange pague mais US$ 8 bilhões (mais de R$ 43 bilhões, na cotação atual) em ativos aos clientes.

O processo coletivo tem como foco o plano anunciado no início deste ano para o pagamento dos clientes. No total, os clientes da FTX teriam direito a receber entre US$ 30 bilhões e US$ 35 bilhões em ativos perdidos, e a exchange informou que tinha cerca de 15 milhões de clientes antes da sua falência, em novembro de 2022.

Entretanto, o plano anunciado pela empresa falecida foi alvo de críticas logo após a sua divulgação. No processo, os clientes explicam que a corretora optou por ressarcir o valor das criptomoedas investidas tendo como referência o preço no momento do anúncio de falência da FTX.

À época, o mercado de criptomoedas estava em um ciclo de baixa e teve uma queda ainda mais intensa com o caso FTX. O bitcoin, por exemplo, chegou a cair para US$ 17 mil quando a falência da corretora foi oficializada. E, se o investidor tinha 1 bitcoin na corretora, esse será o valor que ele irá receber.

Desde então, porém, a criptomoeda teve uma forte valorização. Atualmente, ela está cotada na casa dos US$ 65 mil. Outro ativo citado frequentemente pelos clientes é a Solana, que valorizou mais de 800% desde a quebra da FTX.

Os clientes que abriram o processo contra a FTX argumentam que a falência impediu que eles tivessem acesso a suas criptomoedas e aproveitassem o recente ciclo de alta do setor, inclusive perdendo a chance de vender os ativos e realizarem lucros.

Na prática, portanto, seus ativos seriam muito mais valiosos no momento do que o valor estabelecido pela FTX para os ressarcimentos. Por isso, os clientes avaliam que a exchange deve um valor ainda maior para as vítimas da sua quebra, que também deveria ser pago ao grupo.

Apesar das críticas e do novo processo, o plano de ressarcimento da corretora de criptomoedas foi aprovado pela Justiça dos Estados Unidos. Em abril deste ano, a FTX informou que pretende iniciar os pagamentos aos clientes a partir do final de 2024.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube Telegram | TikTok

Acompanhe tudo sobre:CriptomoedasCriptoativos

Mais de Future of Money

MicroStrategy, maior detentora de bitcoin, anuncia desdobramento de ações nos EUA

Ethereum ronda maior nível de criptos "travadas" em staking, enquanto mercado espera ETFs

Token da associação de futebol da Argentina dispara 100% com seleção na final da Copa América

Trump vai participar de um dos maiores eventos do mercado cripto e reforça aproximação com setor

Mais na Exame