Future of Money
Acompanhe:

5 áreas que já estão sendo transformadas pela inteligência artificial

Do mercado financeiro à escrita, nova tecnologia começa a mostrar potencial transformador, apesar dos desafios

Inteligência artificial virou assunto do momento, mas já habita o dia a dia de usuários há um tempo (Getty Images/Reprodução)

Inteligência artificial virou assunto do momento, mas já habita o dia a dia de usuários há um tempo (Getty Images/Reprodução)

Por Mariana Maria Silva, João Pedro Malar

2 de fevereiro de 2023, 14h12

Ao longo da história, a humanidade desenvolveu tecnologias que facilitaram a sua vida. A começar pela roda, agora é a vez da inteligência artificial, ou IA. Com a Lensa e o ChatGPT entre as mais famosas, as ferramentas de IA estão chegando para ficar e podem representar uma vantagem competitiva interessante para quem souber dominar este tipo de tecnologia.

Empresários famosos como Elon Musk, da Tesla, SpaceX e Twitter, e Peter Thiel, cofundador do PayPal, já investem no desenvolvimento de programas de inteligência artificial. Eles são cofundadores da OpenIA, startup responsável pela criação do ChatGPT, programa mais famoso da atualidade para a criação de textos realistas.

De acordo com uma pesquisa do IDC Worldwide Artificial Intelligence Spending Guide, os gastos globais em inteligência artificial, incluindo software, hardware e serviços para sistemas centrados em IA, atingirão quase US$ 118 bilhões em 2022, ultrapassando os US$ 300 bilhões em 2026.

Com a evolução da tecnologia, conceitos que antes estrelavam em filmes de ficção científica passaram a se tornar bastante reais nas mãos de desenvolvedores perspicazes. Hoje em dia, já é possível dizer que milhões de pessoas utilizam, em algum grau, programas de inteligência artificial em suas rotinas diárias.

Isso porque a inteligência artificial pode facilitar uma série de processos e promover experiências únicas aos usuários de basicamente qualquer segmento. Descubra cinco aplicações da inteligência artificial que podem estar no seu dia a dia:

1. Empresas

Empresas de todos os segmentos podem ser as maiores beneficiadas pelo uso da inteligência artificial. Cerca de 40% delas, inclusive, já fazem o uso da tecnologia em algum de seus processos, segundo uma pesquisa realizada pela Morning Consult com empresas brasileiras.

Hoje em dia, aplicativos empresariais baseados em inteligência artificial podem servir para ajudar executivos na tomada de decisões, aprimorar o atendimento ao cliente, maximizar vendas, aprimorar a segurança, otimizar a cadeia de suprimentos e liberar funcionários de tarefas repetitivas.

“É difícil pensar em uma área de uma empresa em que a IA não tenha impacto”, afirmou um relatório da plataforma de conteúdo do Instituto de Tecnologia de Massachussetts, o MIT Technology Review.

Na prática, a inteligência artificial pode fazer milhares de testes de maneira automatizada de um mesmo modelo, um processo que jamais poderia ocorrer de maneira manual. Desta forma, programas como estes podem facilitar o dia a dia de empresas em tarefas mais complicadas, prevendo estoque, volume de produção, safra, entre outros.

Grandes empresas já utilizam a inteligência artificial para aprimorar seus processos, são elas:

  • Volvo: utiliza IA para prever a demanda por seus veículos, o que permite uma melhor projeção de vendas e estoques ajustados, reduzindo o capital de giro;
  • Hering: usa um programa de inteligência artificial para prever as vendas por região e definir o melhor local para abertura de novas lojas;
  • VLI Logística: usa inteligência artificial para prever volumes de grãos para serem transportados, preços de fretes e previsão de safra.

No caso das três empresas mencionadas, elasnão desenvolveram seus próprios programas de inteligência artificial, mas utilizam a tecnologia fornecida pela 4Intelligence para conseguir atingir seus objetivos. Também são clientes da empresa outros gigantes, como Coca-Cola e Johnson & Johnson.

2. Experiências personalizadas

Sugestões de produtos da Amazon, recomendações de filmes do Netflix ou músicas do Spotify já fazem parte do dia a dia de milhões de pessoas ao redor do mundo, e só existem por conta do uso da inteligência artificial.

Chamada de hiperpersonalização, esta aplicação entra para o escopo da inteligência artificial generativa e promete elevar a relação entre usuários e empresas para um novo nível. Enquanto usuários usufruem de experiências cada vez melhores, as plataformas aproveitam para fidelizá-los ainda mais.

A partir de sucessos como as edições de final de ano do Spotify Wrapped, que mostra as músicas mais ouvidas ao longo do ano pelo usuário, iniciativas de inteligência artificial podem ajudar a construir relacionamentos mais sólidos e duradouros entre o cliente e a empresa sem a necessidade de um grande esforço operacional.

Segundo um relatório do MIT Technology Review, esta pode ser a aplicação da inteligência artificial que trará o maior diferencial competitivo para quem utilizar.

“No futuro, cada um terá uma experiência própria, só sua. E isso só será possível graças a ferramentas que possam não só prover os insights, mas criar mudanças constantes em função do comportamento do usuário. E que possam promover esta personalização em larga escala, com testes em tempo real com múltiplas variáveis para milhões de usuários”, disse Allan Fonseca, diretor da Infobase Interativa, ao MIT Technology Review.

(Mynt/Divulgação)

3. Mercado financeiro

E a inteligência artificial também já chegou ao mercado financeiro. Nesse caso, a capacidade da tecnologia de processar volumes significativos de dados acaba sendo útil para uma série de segmentos diferentes. É o caso da Turn2C, que usa a aplicação para encontrar o melhor tipo de consórcio dentro das demandas de cada cliente.

Outra empresa que aderiu à tecnologia é a Clear, uma das maiores corretoras do Brasil. Em 2021, ela lançou a AIA, que processa e analisa o comportamento dos traders que usam a plataforma da empresa. Com isso, ela consegue identificar padrões e alertar os investidores para evitar erros ou decisões mais apoiadas na emoção que na razão.

“A AIA dá escala para o processo de uma forma brilhante. Considerando o número de pessoas e a frequência de envios, precisaria de um exército de pessoas para fazer, e ela consegue deixar isso algo simples, direto, com cada mais formatos de conteúdo. A complexidade seria muito grande”, comenta Gustavo Mello, product manager da AIA.

Apesar de não ser o foco da Clear, a inteligência artificial também tem sido usada para aconselhar, e em alguns casos realizar, decisões de investimento. Novamente, o processamento de dados tem um papel essencial, e é usado para tentar prever o comportamento futuro dos ativos. Nesse caso, a aplicação ainda tem falhas, mas há quem acredite que quantos mais dados, e erros e acertos, mais precisa ela se tornará.

4. Imagens

Um dos programas de maior sucesso na atualidade e que usa inteligência artificial é o Lensa. O software, que é pago, usa a tecnologia para criar imagens a partir de fotos fornecidas pelos usuários, permitindo criar variações de aparência, cenário, tema e outros elementos. Ou, como os responsáveis pelo projeto promete, “levam suas fotos para o próximo nível”.

Indo além da edição de fotos, a inteligência artificial também pode ser usada na geração de imagens, o que tem levantado um debate no mundo das artes. Softwares como o Midjourney possuem uma biblioteca de imagens e, a partir das definições dadas pelo usuário, criam uma nova imagem.

Esses serviços podem ser usados de diversas formas: há quem aproveite para movimentar os feeds nas redes sociais, empresas que podem usar os materiais criados ou artistas que se baseiam nas imagens geradas para, então, produzir suas peças autorais. Entretanto, ainda não há consenso de que essas imagens podem ser definidas, ou não, como arte.

5. Escrita

A inteligência artificial mais famosa dos últimos meses é também a que promete transformar a forma como escrevemos: o ChatGPT. A ferramenta funciona de forma simples, com o usuário realizando uma pergunta ou dando uma orientação que gera uma resposta do chat bot — um robô criado para conversar na internet.

Outros sistemas com propostas semelhantes também aproveitaram o hype atual para ganharem mais projeção na internet, caso da Perplexity AI, que já é vista por alguns como uma alternativa futura ao mecanismo de busca do Google. Em todos os casos, há a mesma limitação: esses serviços dependem da quantidade e qualidade dos seus bancos de dados, e não criam nada novo, se baseando no que processaram.

Porém, muitos já apontam as claras vantagens de usar a inteligência artificial em casos como trabalhos escolares ou até no trabalho. E isso abriu margem para um debate sobre o quão correto, ou não, é usar esses serviços, e se eles poderiam configurar a prática de plágio ou fraude.

A polêmica não é exclusiva das AIs ligadas à escrita. Em muitos casos, artistas acusam os criadores de imagens em softwares de terem usado seus trabalhos como referências para a ferramenta sem permissão, com resultados que podem acabar sendo bastante parecidos.

Já o ChatGPT foi usado recentemente em provas para exercer profissões de médico e advogado nos Estados Unidos, e em uma pós-graduação MBA. Ele foi aprovado em todos os casos, ressaltando o realismo dos seus textos, mas também mostrando que a sociedade ainda não parece estar pronta para identificar, e lidar, com esses casos de uso, em um debate que promete pegar fogo no futuro próximo.

Comece seu portfólio de criptomoedas. A Mynt é uma empresa BTG Pactual para você comprar e vender crypto com segurança e atendimento 24 horas. Abra agora sua conta e desbloqueie seu mundo crypto.

Siga o Future of Money nas redes sociais: Instagram | Twitter | YouTube | Telegram | Tik Tok