ESG

Apoio:

logo_suvinil_500x252
Logo TIM__313x500
logo_unipar_500x313
logo_espro_500x313
logo_engie_500X252

Parceiro institucional:

logo_pacto-global_100x50

46% dos brasileiros se preocupam com o ESG no varejo

A maior parte dos consumidores pagaria a mais por produtos transparentes quanto ao impacto ambiental e social gerado; sustentabilidade já é prioridade para o bolso dos vendedores

Consumidores querem visualizar claramente a pegada de carbono dos produtos que compram (PUGUN SJ/iStockphoto)

Consumidores querem visualizar claramente a pegada de carbono dos produtos que compram (PUGUN SJ/iStockphoto)

Letícia Ozório
Letícia Ozório

Repórter de ESG

Publicado em 20 de junho de 2024 às 07h00.

A busca por produtos mais sustentáveis tem refletido nas vendas. De acordo com o relatório Varejo 2024, da companhia de tecnologia de pagamentos Adyen, o Brasil é o segundo país mais preocupado com o compromisso social e ambiental dos varejistas, resposta apresentada por 46% dos consumidores. O país só fica atrás da Índia, com 49% de preocupação quanto ao ESG no varejo.

A maioria dos consumidores brasileiros (56%) aponta que pagaria a mais em um produto caso o vendedor fosse transparente sobre as medidas utilizadas para reduzir o impacto no meio ambiente. Metade deles ainda indicou que querem visualizar de forma mais clara a pegada de carbono dos produtos que consomem, como ocorre ao conferir as informações nutricionais nos alimentos.

Com uma maior conscientização dos consumidores, o cuidado socioambiental para os varejistas é também uma forma de gerar lucro. Dos respondentes, 22% buscam aumentar suas receitas a partir da descarbonização das operações e de uma maior sustentabilidade na cadeia produtiva.

Para Renato Migliacci, vice-presidente de vendas da Adyen Brasil, os benefícios ESG atingem também o bolso dos negócios. “A responsabilidade socioambiental, além de ser uma prioridade para o consumidor atualmente, é também uma oportunidade para empresas aumentarem sua oferta de valor, gerando impacto social e incremento de receita”, conta.

A responsabilidade social também foi medida pela pesquisa. Enquanto 54% dos respondentes brasileiros acreditam que os varejistas devam oferecer um recurso para doar para instituições de impacto social, o mesmo só foi respondido por 33% dos consumidores internacionais.

A prática, que inclui a venda de produtos sociais no caixa das lojas ou o arredondamento do troco para apoiar instituições, é utilizada por 20% dos varejistas brasileiros. Metade deles está concentrado no setor de mercados, apesar de ser também o setor menos motivado a descarbonizar o negócio: apenas 11% dos negócios demonstraram buscar a redução das emissões de CO2.

Acompanhe tudo sobre:VarejoSustentabilidade

Mais de ESG

Trauma climático, capital e investimento privado

Muita água e gente com sede: o paradoxo vivido pelo Amazonas com as mudanças climáticas

Existe uma alternativa de baixo impacto ambiental para desenvolvimento da geração hidrelétrica?

Urgência climática não sensibiliza países ricos e ajuda para fundo de perdas e danos empaca

Mais na Exame