Esfera Brasil
Um conteúdo Esfera Brasil

Entenda as diferenças entre LDO, LOA e PPA que definem o Orçamento no Brasil

Saiba o que determina cada uma das leis anuais e o Plano Plurianual, que é o principal instrumento de planejamento orçamentário a médio prazo

As leis orçamentárias são de autoria do Executivo, mas precisam ser votadas pelo Congresso e, depois, sancionadas pelo presidente da República. (Andressa Anholete/Getty Images)

As leis orçamentárias são de autoria do Executivo, mas precisam ser votadas pelo Congresso e, depois, sancionadas pelo presidente da República. (Andressa Anholete/Getty Images)

Esfera Brasil
Esfera Brasil

Plataforma de conteúdo

Publicado em 16 de novembro de 2023 às 08h00.

Quando chega o fim do ano, é comum ouvirmos debates na sociedade sobre o Orçamento, o que esperar das receitas e despesas do governo. Este mês, a Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) aprovou o relatório preliminar do projeto de lei de Diretrizes Orçamentárias de 2024. A grande discussão é se o governo vai manter a meta de déficit zero para o ano que vem, como havia defendido a equipe econômica liderada pelo ministro da Fazenda, Fernando Haddad.

Para ser aprovada, a Lei de Diretrizes Orçamentárias (LDO) precisa da aprovação definitiva do texto, já com emendas pela CMO, e também que seja validada pelo plenário do Congresso Nacional.

Em evento da Esfera Brasil, o deputado federal relator da LDO, Danilo Forte (União-CE), disse que a prioridade do Orçamento do ano que vem será o ajuste das contas públicas. Segundo ele, o montante deverá ser de R$ 5,5 trilhões para 2024.

“Orçamento público é o orçamento de todos nós. É o esforço que cada um de nós faz desde a hora que acorda. Até dormindo a gente está pagando imposto. Acho que a gente precisa ter uma preocupação de que forma é feito esse gasto público”, afirmou o relator.

Mas a LDO é apenas uma das legislações que vão nortear o Orçamento. Existe ainda a Lei Orçamentária Anual (LOA) e o Plano Plurianual (PPA). As três são de autoria do presidente da República. Mas, no Congresso Nacional, podem ser alteradas e precisam ser votadas. Primeiramente acontece na (CMO), que é composta por deputados e senadores, e, em seguida, os projetos seguem para o plenário do Congresso.

Veja também: “Prioridade do Orçamento 2024 é o ajuste das contas públicas”, diz relator da LDO

Lula e Alckmin mandam recado a investidores: ‘Este é o momento de investir no Brasil’

Projeto que facilita regularização de dívidas com a Receita Federal vai à sanção presidencial

LDO

É a LDO que estabelece as regras para a elaboração da LOA do ano seguinte. Ela é definida uma vez ao ano pelo governo federal ainda no primeiro semestre. Tem que ser enviada pelo Executivo ao Congresso até 15 de abril e aprovada pelo Legislativo até 30 de junho. Se não for aprovada no período, o Congresso não pode entrar em recesso em julho.

Entre as funções da LDO estão:

  • determinar o nível de equilíbrio geral entre receitas e despesas;
  • traçar regras para as despesas dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário;
  • autorizar o aumento de despesas com pessoal;
  • disciplinar o repasse de verbas da União para estados, municípios e entidades privadas;
  • indicar prioridades de financiamento pelos bancos públicos.

Na prática, a LDO define metas e prioridades do governo federal, despesas de capital, alterações na legislação tributária e a política de aplicação nas agências financeiras de fomento.

LOA

É na LOA que estão previstas as receitas fixas e as despesas do governo federal para o ano seguinte. O valor é estipulado com base na arrecadação de impostos. A lei indica quanto será aplicado em cada área e de onde virão os recursos. É de fato o Orçamento do governo para o ano seguinte.

Os 26 estados, o Distrito Federal e os municípios também têm os próprios orçamentos, que preveem arrecadação e gastos.

A LOA, definida no segundo semestre do ano, é responsável por:

  • projetar parâmetros macroeconômicos, como o Produto Interno Bruto (PIB), a inflação e a taxa de juros;
  • prever a arrecadação do governo com tributos e outras fontes de recursos;
  • definir metas para a política fiscal - medidas que o governo toma para equilibrar despesas e receitas;
  • definir valores que a União poderá usar para investimentos e financiamentos por área;
  • definir despesas determinadas por sentenças judiciais chamadas precatórios;
  • listar as obras e serviços com indícios de irregularidades graves.

A LOA compreende os orçamentos fiscal, da seguridade social e de investimento das estatais. Depois de aprovado no Congresso, o projeto volta ao Executivo para sanção do presidente e é transformado em lei. Só então as verbas poderão ser liberadas.

Plano Plurianual (PPA)

É o principal instrumento de planejamento orçamentário de médio prazo do governo federal. O Plano Plurianual define as diretrizes, objetivos e metas da administração pública e abrange as despesas, investimentos e recursos para programas de duração continuada.

O PPA é estabelecido por lei, com vigência de quatro anos. Ele se inicia no segundo ano de mandato de um presidente e vale até o final do primeiro ano de mandato do sucessor. Isso significa que o planejamento em vigor no primeiro ano do governo Lula ainda é o criado durante a gestão de Jair Bolsonaro.

O projeto de lei do PPA deve ser encaminhado pelo Executivo ao Congresso até 31 de agosto. Após aprovado no Legislativo, volta para sanção presidencial e começa a valer no início do ano seguinte.

A Constituição Federal determina que os planos e programas nacionais, regionais e setoriais sejam elaborados em consonância com o PPA. O Plano Plurianual também vai nortear a elaboração da Lei de Diretrizes Orçamentárias e da Lei Orçamentária Anual.

Acompanhe tudo sobre:Congresso

Mais de Esfera Brasil

Programa Mover tem 69 empresas do setor automotivo habilitadas

Comunidades vizinhas à futura Linha 6 de metrô são foco de ações de empregabilidade

Saiba quais são os projetos do Legislativo que limitam atuação do Judiciário

Estados Unidos vai destinar US$ 21 milhões para projetos na Amazônia

Mais na Exame