A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Pior setembro desde o Plano Real: entenda a alta da inflação em 4 gráficos

O IPCA-15 de setembro, prévia da inflação oficial, ficou novamente acima das expectativas. O IBGE reforçou que este é o pior resultado para o mês desde o Plano Real, em 1994

A inflação não para de subir no Brasil. O IPCA-15 de setembro, uma prévia do índice inflacionário oficial, ficou em 1,14%, menor somente do que em setembro de 1994, ano de lançamento do Plano Real.

Os números foram publicados nesta sexta-feira, 24, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE).

O movimento já vinha se desenhando nos últimos meses, todos com aumento do IPCA acima do esperado por analistas.

A alta nos preços tem sido puxada por frentes como os alimentos, combustíveis e, mais recentemente, a energia elétrica. Veja abaixo os principais destaques entre os números.

IPCA de volta a 2003

A inflação brasileira chegou oficialmente aos dois dígitos com a divulgação do IPCA-15.

No acumulado de 12 meses, o índice, que é medido entre meados de agosto até meados de setembro, ficou em 10,05%.

O acumulado do IPCA-15 só havia chegado a dois dígitos em um mês de setembro no ano de 2003 e em 1994, 1995 e 1996, anos seguintes ao Plano Real, como mostra o gráfico abaixo.

Fonte: IPCA-15/IBGE

Fonte: IPCA-15/IBGE (Arte/via Flourish/Exame)

Nos primeiros anos do Plano Real, a inflação ainda era galopante, superando os 1.000% no acumulado em vários meses. O índice só começou a se estabilizar a partir de 1996.

Desde então, mesmo se contabilizados outros meses para além de setembro, o Brasil só teve inflação de dois dígitos no IPCA-15 em poucos momentos:

  • Dezembro de 2002: Em dezembro de 2002, o IPCA-15 teve alta de 11,99% no acumulado dos 12 meses anteriores;
  • 2003: o IPCA-15 permaneceu com dois dígitos ao longo de todo o ano;
  • 2015-2016: depois disso, o índice só voltaria a superar 10% entre novembro de 2015 e fevereiro de 2016.

Expectativas deteriorando

No começo deste ano, a projeção era de que o IPCA fechasse o ano em pouco mais de 3%, segundo os analistas do Boletim Focus. O teto da meta do Banco Central era de 5,25%.

Desde então, foram mais de 20 revisões para cima no Focus. A última projeção é de que o IPCA termine o ano em alta de 8,35% — e contando.

Fonte: IPCA-15/IBGE

Fonte: IPCA-15/IBGE (Arte/via Flourish/Exame)

Produtos essenciais sobem

Produtos essenciais na cesta de consumo dos brasileiros e com peso importante no IPCA têm subido acima da inflação, o que faz com que a alta nos preços sentida pelos mais pobres seja ainda maior do que a oficial, segundo o Ipea.

Há componentes globais e domésticos. Lá fora, existe um choque de oferta em alguns itens da cadeia de suprimentos, como os semicondutores, somado a uma demanda aquecida com a recuperação econômica e desemprego baixo nos países desenvolvidos. Esse cenário tem feito a inflação subir em vários países.

Mas o Brasil tem seus desafios internos, como a crise hídrica, que encarece a energia elétrica e os custos de produção.

Fonte: IPCA-15/IBGE, no acumulado de 12 meses até setembro. Itens que mais tiveram variação no período.

Fonte: IPCA-15/IBGE, no acumulado de 12 meses até setembro. Itens que mais tiveram variação no período. (Arte/via Flourish/Exame)

Enquanto isso, o preço do barril de petróleo do tipo Brent, usado como referência pela Petrobras, está na casa de 78 dólares no mercado internacional, o maior desde 2018.

O preço dos combustíveis encarece não só o custo de vida, como a logística de transporte dos produtos, o que acaba repassado a outros setores. E com as termelétricas ligadas devido à seca, o custo dos combustíveis também impacta cada vez mais na conta de luz.

Assim, os preços no Brasil têm subido mesmo com a demanda ainda não tendo se recuperado plenamente, já que o desemprego segue alto, acima de 14%

A inflação também está alta apesar de vários itens no segmento de serviços — como turismo, educação e alugueis — tendo crescimento abaixo da média com a pandemia. Isso deve começar a mudar com a reabertura plena da economia, pressionando ainda mais os preços.

Por isso, o Banco Central tem voltado a subir os juros neste ano, e a taxa Selic já chega a 6,25%, após ter começado o ano em 2,25%.

Dólar alto

O dólar alto também persiste e torna mais caro os insumos importados, de alimentos a máquinas. E os itens que já estão em alta no mercado externo com o choque de oferta, como os eletrônicos, ficaram ainda mais caros para os brasileiros.

Fonte: Banco Central, cotação diária.

Fonte: Banco Central, cotação diária. (Arte/via Flourish/Exame)

O cenário do câmbio no Brasil, somado à valorização das commodities no mercado externo ao longo de todo o ano passado e primeiro semestre deste ano, incentiva ainda a exportação de produtos agropecuários, reduzindo a oferta interna e ajudando a elevar os preços dos alimentos.

E não há expectativa de que o dólar caia tão cedo: até agora, a mediana dos analistas do Boletim Focus, do Banco Central, projeta o dólar acima de 5 reais para este ano e também para 2022, 2023 e 2024, sem grandes alterações. 

Fatores como a crise política e o risco até as eleições de 2022 também ajudam na fuga de dólares e deterioração das expectativas de crescimento da economia, segundo analistas.

Isso tende a fazer com que não só a inflação continue alta, como o Brasil demore mais a crescer e gerar empregos, de modo que a renda de boa parte dos brasileiros não consegue acompanhar as novas altas. O cenário segue negativo para os próximos meses.


Juros, dólar, inflação, BC, Selic. Entenda todos os termos da economia e como eles afetam o seu bolso. Assine a EXAME

De 1 a 5, qual sua experiência de leitura na exame?
Sendo 1 a nota mais baixa e 5 a nota mais alta.

 

Seu feedback é muito importante para construir uma EXAME cada vez melhor.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também