Governo quer permitir redução de salário e jornada de trabalho em até 50%

Segundo governo, o pacote “Programa Antidesemprego” é medida para conter o desemprego em meio à crise com os impactos do coronavírus na economia

O governo divulgou nesta quarta-feira um pacote de medidas destinadas a flexibilizar as relações entre patrões e empregados, abrindo espaço para que a jornada e o salário possam ser reduzidos em até 50% como forma de conter o desemprego em meio à crise com os impactos do coronavírus sobre a economia.

O pacote, batizado de “Programa Antidesemprego”, será enviado ao Congresso via projeto de lei ou Medida Provisória (MP), afirmou o secretário-executivo do Ministério da Economia, Marcelo Guaranys.

A ideia é que a redução de salário e jornada possa vigorar até o final deste ano, prazo solicitado pelo governo ao Congresso para que o país seja considerado em estado de calamidade pública.

Em apresentação divulgada inicialmente a jornalistas, a pasta destacou que as alterações seriam instituídas por MP. Caso esse caminho seja de fato escolhido, elas terão vigência imediata, mas terão que ser chanceladas pelos parlamentares para prosseguirem em vigor.

Questionado sobre como os trabalhadores viveriam com metade do seu salário, o secretário especial de Previdência e Trabalho, Bruno Bianco, afirmou que o governo buscou, com a medida, proteger empregos.

"Obviamente nossa ideia com essa questão é proporcionar ao empregado a manutenção de emprego e que ele possa também, ao superar a crise, retornar ao trabalho e cada vez mais continuar exercendo a sua função", disse.

O secretário de Trabalho do Ministério da Economia, Bruno Dalcolmo, pontuou que poderá ainda haver a suspensão temporária dos contratos de trabalho, mas com condicionantes que são a garantia do salário mínimo e a irredutibilidade do salário-hora.

"Não é uma suspensão sem nenhum tipo de contribuição ao trabalhador", defendeu.

Entre as demais alterações trabalhistas que constarão no pacote, estão a antecipação de férias individuais, a decretação de férias coletivas de maneira mais rápida e regras para facilitar o teletrabalho.

Também estão contemplados na medida a possibilidade de antecipação de feriados não religiosos e o diferimento do recolhimento do FGTS durante o estado de emergência. O programa ainda prevê a dinamização do banco de horas.

As últimas notícias da pandemia do novo coronavírus:

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.