Os planos de Bill Gates para escurecer o Sol e reduzir o aquecimento global

Bilionário estaria financiando o desenvolvimento de uma tecnologia capaz de escurecer o Sol criada por cientistas da Harvard. Entenda:

O bilionário Bill Gates é conhecido por muitas coisas, mas jogar baixo não é uma delas.

Em uma de suas novas empreitadas, Gates está financiando o desenvolvimento de uma tecnologia capaz de escurecer o Sol e que poderia refletir a luz solar para fora da atmosfera da Terra, segundo informações da revista americana Forbes. O objetivo disso tudo é diminuir o aquecimento global, deixando o planeta mais gelado.

O projeto foi criado por cientistas de Harvard e pretende reduzir o brilho do Sol com um spray de carbonato de cálcio não-tóxico (CaCO3).

Chamado de Stratospheric Controlled Perturbation Experiment (SCoPEx), o projeto vai lançar um balão com equipamentos científicos em junho deste ano (sem o aerosol estratosférico) para testar a comunicação dos objetos – se der certo, o próximo passo é lançar uma pequena quantidade de CaCO3 na atmosfera.

"Planejamos usar um balão de alta altitude para levar um pacote de instrumentos a aproximadamente 20km na atmosfera. Quando chegar lá, uma quantidade muito pequena do material será lançada para criar uma massa de ar de aproximadamente um quilômetro e 100 metros em diâmetro. Então usaremos o mesmo balão para medir as mudanças, incluindo as alterações na densidade do aerosol, química atmosférica e dispersão", explicam os pesquisadores.

O lançamento do composto na atmosfera, no entanto, não é consenso na comunidade científica. Alguns especialistas acreditam que o uso do CaCO3 para reduzir os efeitos do aquecimento global traz riscos inimagináveis, como mudanças bruscas no clima.

Ambientalistas acreditam que a mudança na estratégia poderá servir como argumento para a emissão contínua de gases do efeito estufa.

Os cientistas de Harvard não sabem qual seria a quantidade ideal para esfriar a Terra e também não tem certeza se esse tipo de aerosol é o mais recomendado, mas pesquisas afirmam que o CaCO3 tem propriedades "quase ideais", que poderiam absorver menos radiação do que o aerosol de sulfato, causando menos aquecimento.

Por isso os lançamentos de teste: com eles, os pesquisadores saberão exatamente qual a quantidade que deve ser enviada para a atmosfera.

No estudo, os autores escrevem que "mais pesquisas sobre esse e outros métodos similares podem levar a redução de riscos e aumentar a eficácia dos métodos de geoengenharia solar".

É torcer para tudo dar certo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.