Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Pessoas entre 25 a 34 anos são as que mais rejeitam vacina, aponta estudo

Pesquisa da Ilumeo com a Sociedade Brasileira de Virologia mostra que 42% dos entrevistados nesta faixa etária são “antivacinas” e 4% do total não vai se proteger independente do laboratório; desconfiança e medo são principais argumentos e WhatsApp é maior meio de informação

Chegando a quase um ano da campanha de vacinação contra o coronavírus, o Brasil está prestes a alcançar 50% da população com as duas doses da vacina. Os dados são otimistas, mas países que começaram a imunização mais cedo enfrentam uma nova onda de casos por conta daqueles que se recusam a se vacinar. 

O mesmo pode acontecer no Brasil? Foi esta dúvida que motivou uma pesquisa desenvolvida pela Consultoria de Data Science, Ilumeo, chamada Delfos Vacinas, feita em parceria com a Sociedade Brasileira de Virologia (SBV), que aponta quais as preferências e atributos de marca que mais impactam na hora da imunização.

  • Quer saber tudo sobre o desenvolvimento e eficácia de vacinas contra a covid-19? Assine a EXAME e fique por dentro.

Desenvolvida pela Ilumeo, “Delfos” é uma metodologia de brand tracking para mensurar a saúde e a força das marcas. Para a pesquisa sobre as vacinas, os atributos avaliados pela pesquisa derivam de escalas de personalidade e tipologia de marca. Também foi avaliado o efeito país de origem de cada imunizante. 

“Fazemos isso por meio da construção de um modelo de equações estruturais, um conjunto de diversos algoritmos de computador, métodos estatísticos e modelos matemáticos que trabalham juntos para que se possa compreender a estrutura de inter-relações entre diferentes fatores não observáveis”, disse Otávio Freire, sócio e head da Illumeo.

Ao todo foram 3.059 respondentes, sendo que 51% tomaram ao menos uma dose da vacina. 48% são da classe C, seguido de 29% das classes D e E e 21% da B. Em questão de região, 40% são do Sudeste, 29% do Nordeste e 14% do Sul.

Compreender por que ainda existem indivíduos que não se vacinam é vital para o enfrentamento da pandemia, já que é necessário uma alta taxa de vacinação para o vírus ter uma circulação baixa. Por trás dos antivacinas ou sommeliers existe uma gama de fatores individuais, culturais, políticos e econômicos. Veja detalhes da pesquisa:

CoronaVac e AstraZeneca são as mais rejeitadas

Apesar de serem as primeiras marcas que vêm à cabeça dos participantes (36% e 30%, respectivamente), a CoronaVac e a AstraZeneca são os imunizantes mais rejeitados pelo mesmo grupo.

A vacina da chinesa Sinovac, fabricada pelo Instituto Butantan no Brasil, figura no topo da rejeição, com 15% menos preferência e 7% mais rejeitada, seguida pela da AstraZeneca com 19% menos preferência e 4% mais rejeitada.

A CoronaVac tem pouca confiança por ser vista como um imunizante de menor eficácia em comparação com os outros. A informação é exagerada, porque a vacina chinesa protege tanto quanto as outras. Ela é eficiente para casos graves e, de acordo com estudo, é a que mais previne mortes.

Já o medo em volta da AstraZeneca é por conta dos raros efeitos colaterais. A formação de coágulos sanguíneos em alguns vacinados levou até ao interrompimento da distribuição do imunizante na Europa no meio deste ano, mas foi retomada após cientistas confirmarem a raridade do efeito colateral.

A ocorrência foi de 1 caso a cada 250.000, ou taxa de 0,0004%. Em comparação, para mulheres que usam anticoncepcional oral, o risco de desenvolver tromboembolismo venoso é 4 a 6 vezes maior do que as que não fazem uso do remédio.

Os imunizantes da Pfizer e da Janssen dominam a preferência dos brasileiros, com 17% de aprovação e somente 1% de rejeição cada. São bem aceitas no Brasil por serem usadas em países como os Estados Unidos e, no caso da Janssen, por ser de dose única.

Quem não quer vacinar?

O levantamento mostrou que oito em cada dez respondentes não rejeitariam nenhuma vacina, apesar de possivelmente preferirem uma ou outra. Já 42% das pessoas entre 25 a 34 anos são os que mais rejeitam a vacina contra a covid

Nos Estados Unidos, o país voltou a registrar o aumento de casos e morte de junho para cá e atualmente contabiliza mais de 41 milhões de habitantes infectados e 660 mil vidas perdidas.

“Por lá, a campanha está estagnada e o progresso da vacinação bateu na barreira erguida pelos americanos que resistem à imunização. A ideia da pesquisa é justamente, por meio dos dados, checar as chances do mesmo acontecer aqui no Brasil”, comenta Freire.

4% não vão se imunizar independente do laboratório. A desconfiança e o medo são os principais argumentos e, de acordo com a pesquisa, percebe-se que notícias falsas e desconhecimento básico sobre o funcionamento das vacinas influenciam na opinião.

Alguns exemplos dos argumentos mais comuns que embasam a recusa por algumas vacinas vão desde a não credibilidade nos estudos e eficácia, a não conhecimento dos efeitos colaterais a longo prazo.

Entre quem não pretende se vacinar vemos mais homens (53%) do sudeste do país (38%), com menores rendas familiares mensais e menos escolarizados. Já quando se consideram só os que têm entre 45 e 54 anos a taxa cai para 7%.

Informações vêm do WhatsApp

As redes sociais dão ainda mais força para o movimento dos sommelier de vacinas, uma vez que facilitam o compartilhamento de fake news. De acordo com a pesquisa, o WhatsApp e Youtube são as principais fontes de informação das pessoas sobre a vacina durante a pandemia.

70% e 66% dos entrevistados, respectivamente, se informam por esses meios, seguido do Instagram com 56%. Em último lugar estão os jornais e revistas impressos com 7%.

Quem não se informa por meios credíveis de informação têm uma maior preferência e rejeição por determinadas marcas. AstraZeneca e CoronaVac se desenvolvem melhor que Janssen e Pfizer ao passar de conhecimento superficial para o mais profundo.

“Esse estudo pretende alertar a associação entre o aumento da desinformação e a lentidão da cobertura vacinal. Embora seja uma porcentagem muito pequena de pessoas que se recusam a vacinar, essa realidade existe. Com a informação correta garantimos a manutenção da saúde de todos. A melhor vacina contra a covid é aquela que vai no braço”, ressalta Freire.

  • Fique por dentro das principais notícias do Brasil e do mundo. Assine a EXAME
De 0 a 10 quanto você recomendaria Exame para um amigo ou parente?

 

Clicando em um dos números acima e finalizando sua avaliação você nos ajudará a melhorar ainda mais.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também