• AALR3 R$ 20,05 -0.74
  • AAPL34 R$ 68,33 2.32
  • ABCB4 R$ 16,85 0.96
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.14
  • AERI3 R$ 3,80 4.40
  • AESB3 R$ 10,84 1.31
  • AGRO3 R$ 31,10 1.17
  • ALPA4 R$ 20,74 1.37
  • ALSO3 R$ 19,42 2.16
  • ALUP11 R$ 27,33 1.98
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 23,99 2.22
  • AMZO34 R$ 64,62 -3.03
  • ANIM3 R$ 5,68 4.22
  • ARZZ3 R$ 79,71 -2.03
  • ASAI3 R$ 15,82 -0.88
  • AZUL4 R$ 21,66 2.65
  • B3SA3 R$ 12,10 0.50
  • BBAS3 R$ 38,48 4.00
  • AALR3 R$ 20,05 -0.74
  • AAPL34 R$ 68,33 2.32
  • ABCB4 R$ 16,85 0.96
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.14
  • AERI3 R$ 3,80 4.40
  • AESB3 R$ 10,84 1.31
  • AGRO3 R$ 31,10 1.17
  • ALPA4 R$ 20,74 1.37
  • ALSO3 R$ 19,42 2.16
  • ALUP11 R$ 27,33 1.98
  • AMAR3 R$ 2,49 3.32
  • AMBP3 R$ 31,15 3.66
  • AMER3 R$ 23,99 2.22
  • AMZO34 R$ 64,62 -3.03
  • ANIM3 R$ 5,68 4.22
  • ARZZ3 R$ 79,71 -2.03
  • ASAI3 R$ 15,82 -0.88
  • AZUL4 R$ 21,66 2.65
  • B3SA3 R$ 12,10 0.50
  • BBAS3 R$ 38,48 4.00
Abra sua conta no BTG

Brasil retoma testes com vacina AstraZeneca/Oxford na segunda

Anvisa baseia liberação de testes em avaliação de agência reguladora britânica, que concluiu que a relação benefício/risco se mantém favorável
Vacina: testes haviam sido suspensos por receio com segurança (Getty Images/Images By Tang Ming Tung)
Vacina: testes haviam sido suspensos por receio com segurança (Getty Images/Images By Tang Ming Tung)
Por ReutersPublicado em 13/09/2020 14:38 | Última atualização em 13/09/2020 14:38Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Os ensaios clínicos da candidata a vacina contra o coronavírus que está sendo desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e a Universidade de Oxford serão reiniciados no Brasil segunda-feira, afirmou a empresa, após autorização da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) no sábado.

Os testes em estágio final do experimento foram suspensos em todo o mundo, após de surgir uma doença em um participantes do estudo no Reino Unido.

"No dia 6 de setembro, o processo de revisão padrão desencadeou uma pausa voluntária na vacinação em todos os testes globais para permitir a revisão dos dados de segurança por comitês independentes e reguladores internacionais", disse a AstraZeneca.

Na véspera, a companhia disse que retomou os testes clínicos no Reino Unido, após receber autorização da autoridade sanitária britânica.

A Anvisa afirmou que especialistas da agência se reuniram na tarde de sábado para avaliar a retomada do estudo após informações recebidas da agência reguladora britânica (Medicines and Healthcare Products Regulatory Agency - MHRA), do Comitê Independente de Segurança do estudo clínico e da AstraZeneca.

"Após avaliar os dados do evento adverso, sua causalidade e o conjunto de dados de segurança gerados no estudo, a Agência concluiu que a relação benefício/risco se mantém favorável e, por isso, o estudo poderá ser retomado", afirmou a Anvisa.

A agência ressaltou que continuará acompanhando todos os eventos adversos observados durante o estudo e, caso seja identificada qualquer situação grave com voluntários brasileiros, irá tomar as medidas cabíveis para garantir a segurança dos participantes.

A Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), que está coordenado a pesquisa no Brasil, disse que o estudo no país, que envolve 5 mil participantes, também deve ser retomado, logo após liberação da Anvisa e do Comitê Nacional de Ética e Pesquisa (Conep). Até o momento, 4.600 voluntários já foram recrutados e vacinados, sem registro de intercorrências graves de saúde.

A vacina desenvolvida pela AstraZeneca e a Universidade de Oxford é tida pelo governo brasileiro como uma das principais apostas para a imunização contra o Covid-19 no país.

No sábado, dados do Ministério da Saúde mostraram que o total de casos de Covid-19 país alcançam 4.315.687, com 131.210 mortes pela doença.

Por meio do Ministério da Saúde e da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), o governo assinou um memorando de entendimento com a AstraZeneca que prevê a compra de 30 milhões de doses da vacina, com entrega em dezembro deste ano e janeiro do ano que vem, e a possibilidade de aquisição de mais 70 milhões se a vacina tiver eficácia e segurança comprovadas.

Além disso, o acordo inicial prevê a transferência da tecnologia desenvolvida pela Universidade de Oxford e pela AstraZeneca para produção na Fiocruz, com previsão do ministério de início ainda no primeiro semestre de 2021 --que foi colocada em dúvida por especialistas ouvidos pelas Reuters em razão da complexidade do processo de transferência de tecnologia.