Millennials coreanos recorrem às bolsas para ficarem ricos

O chamado day trading, a prática de amadores de negociar no dia a dia, cresce na Coreia do Sul

Jenny Lee tem um sonho: ter um apartamento em Seul, capital da Coreia do Sul, onde os imóveis custam cerca de US$ 1 milhão cada.

Para a jovem de 27 anos, que ficou sem emprego por um ano até o mês passado e aluga um quarto em um dormitório perto de Seul, será difícil ganhar tanto dinheiro. Ela não tem um diploma de uma “boa” universidade – essencial para conseguir um emprego cobiçado em conglomerados como Samsung Electronics, que dominam a economia, e é uma mulher em um país onde as normas patriarcais são difíceis de eliminar. Agora, acha que encontrou uma solução: o chamado “day trading”, a prática de amadores de negociar no dia a dia.

“Na Coreia, nós, com 20 e poucos anos, só temos duas maneiras de ficar ricos: ou ganhamos na loteria ou negociamos ações”, disse Lee, cujo novo emprego é em um hospital, talvez o único grande empregador nesses tempos de Covid-19. “Sabemos que nunca seremos ricos com os salários que ganhamos. Nunca ganharemos o suficiente para comprar uma casa.”

De muitas maneiras, Lee, que atualmente aposta em ações de tecnologia dos Estados Unidos, faz parte da expansão global em negociações de varejo durante a pandemia. Esse tipo de investimento cresceu rapidamente em popularidade nos EUA, com pessoas entediadas ou recém-demitidas em casa em meio a quarentenas que aproveitam aplicativos sem comissões e fáceis de usar como o Robinhood e cheques de estímulo.

Lee é um dos milhões de investidores de varejo da Coreia do Sul que respondem por 65% do valor de negociação do índice Kospi este ano, em relação a 48% em 2019. A maior parte desses investidores iniciantes está na casa dos 20 ou 30 anos, de acordo com a Korea Investment & Securities, corretora com sede em Seul. E muitos deles contraem dívidas: o financiamento de margem cresceu 33% entre dezembro e junho deste ano, mostram dados do Serviço de Supervisão Financeira.

“Sociologia” é um melhor indicador do que está impulsionando o mercado acionário do que a economia, disse Jeon Kyung-Dae, diretor de investimentos de renda variável da Macquarie Investment Management Korea. As baixas taxas de juros pioram as coisas, disse, pois corroem o valor da poupança todos os dias.

“Os millennials coreanos estão desesperados, enfrentando um mercado de trabalho congelado”, disse Lee Han Koo, professor de economia da Universidade de Suwon, acrescentando que o aumento dos preços dos imóveis aumenta a sensação de frustração. “Nesse ambiente, a negociação de ações se torna uma oportunidade única na vida” para ficar rico.

Com a colaboração de Sohee Kim e Myungshin Cho.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?

Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?

Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.