Exame logo 55 anos
Remy Sharp
Acompanhe:

Exposição no Masp propõe uma revisão sobre a História do Brasil

Estão em exibição 380 trabalhos de 250 artistas e coletivos, sendo 24 inéditos

Modo escuro

Exposição Histórias brasileiras, com curadoria de Adriano Pedrosa e Lilia M. Schwarcz, no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand. (Rovena Rosa/Agência Brasil)

Exposição Histórias brasileiras, com curadoria de Adriano Pedrosa e Lilia M. Schwarcz, no Museu de Arte de São Paulo Assis Chateaubriand. (Rovena Rosa/Agência Brasil)

A
Agência Brasil

Publicado em 29 de agosto de 2022 às, 10h25.

No contexto da celebração dos 200 anos da Independência do Brasil, o Museu de Arte de São Paulo (Masp) inaugurou na sexta-feira (26) a exposição Histórias Brasileiras, que propõe uma revisão histórica e aponta para uma abordagem mais inclusiva, mais diversa e mais plural sobre o que conhecemos oficialmente do país. A mostra coletiva ocupa dois andares da instituição e fica em cartaz até o dia 30 de outubro.

Estão em exibição 380 trabalhos de 250 artistas e coletivos, sendo 24 inéditos. As obras estão expostas no primeiro andar e no segundo subsolo do museu e foram organizadas em oito núcleos temáticos: Bandeiras e Mapas; Paisagens e trópicos; Terra e território; Retomadas; Retratos; Rebeliões e revoltas; Mitos e ritos; e Festas.

A proposta da exposição não é apresentar as obras no contexto da História da arte, mas dar a elas uma perspectiva social e política, abordando o íntimo, o privado, os costumes e o cotidiano.

Histórias Brasileiras dá continuidade ao projeto do museu em apresentar exposições dedicadas à História, como fez em Histórias da infância (2016), Histórias da sexualidade (2017), Histórias afro-atlânticas (2018), Histórias das mulheres, Histórias feministas (2019) e Histórias da dança (2020). A História apresentada pelo museu não é a que se encontra nos livros oficiais, mas a que tem sentido mais amplo e aberto. A ideia é reconstruir essa História tradicional, revisitá-la e abrir espaço para as contestações e reparações.

Depois de enfrentar protestos de artistas e de público por ter vetado a exposição de fotografias do Movimento Sem Terra (MST), o museu voltou atrás em sua decisão e as fotos estão em exibição na mostra, no núcleo Retomadas. E não só em exibição. As curadoras desse núcleo propuseram que seis dessas fotografias de João Zinclar, André Vilaron e Edgar Kanaykõ sejam reimpressas e distribuídas gratuitamente ao público. Além disso, há a proposta de que seja realizado um seminário online, que será transmitido por meio do canal do Masp no Youtube e na plataforma do MST.

Além das fotos, o núcleo Retomadas discute o presente como um momento de restituição, reparação e recriação de direitos. “O prefixo ‘re-’, que ética e politicamente demarca as retomadas, não indica um resgate ou um retorno a um ponto supostamente anterior à invasão colonial. Distante da dimensão nostálgica e fetichista da própria colonialidade, retomar é também criar, ficcionalizar, transformar”, disseram as curadoras do núcleo Clarissa Diniz e Sandra Benites.

A visita à exposição é iniciada no primeiro andar. É nesse espaço que se encontra o núcleo Bandeiras e Mapas, que apresenta elementos pátrios, como a bandeira nacional, em uma visão mais artística e crítica. Na obra Bandeira afro-brasileira (2022), por exemplo, o artista Bruno Baptistelli altera as tonalidades da flâmula nacional para convertê-la numa bandeira afro-brasileira, onde o verde e amarelo é substituído pelo preto e o vermelho.

Já o núcleo Paisagens e trópicos traz a fotografia Natureza morta 1 (2016), de Denilson Baniwa, que apresenta a silhueta de um indígena morto delineada sobre a floresta amazônica, discutindo a devastação da mata causada por gerações de invasores aos territórios indígenas.

Denilson Baniwa, Natureza morta 1, 2016.

No segundo subsolo está o núcleo Rebeliões e Revolta, que apresenta um conjunto de obras que pretende “revisar e questionar as narrativas oficiais da arte e da política, opondo-se ao mito de um país pacífico e livre de guerras. Seu objetivo é apresentar uma contra-história”, dizem os curadores André Mesquita e Lilia Moritz Schwarcz. Nesse núcleo, a palavra Lute aparece de forma reiterada. Entre elas, em uma impressão serigráfica de Santarosa Barreto.

A mostra tem entrada gratuita às terças-feiras e quintas-feiras. Além da exposição, o Masp propõe encontros com professores, palestras e diálogos. Para visitar a exposição é necessário fazer o agendamento online obrigatório na página de ingressos do museu.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos pra você aproveitar seu tempo livre com qualidade

Últimas Notícias

ver mais
Marcas de carros chinesas almejam segmento de luxo com tecnologia
Casual

Marcas de carros chinesas almejam segmento de luxo com tecnologia

Há 14 horas
Conheça a montadora chinesa que está prestes a ultrapassar a Tesla da liderança mundial em elétricos
Casual

Conheça a montadora chinesa que está prestes a ultrapassar a Tesla da liderança mundial em elétricos

Há 15 horas
Disney Treasure: novo cruzeiro terá programação inspirada nos parques
Casual

Disney Treasure: novo cruzeiro terá programação inspirada nos parques

Há 18 horas
A marca de relógios dos maiores campeões do golfe no mundo
Casual

A marca de relógios dos maiores campeões do golfe no mundo

Há 20 horas
icon

Branded contents

ver mais

Conteúdos de marca produzidos pelo time de EXAME Solutions

Exame.com

Acompanhe as últimas notícias e atualizações, aqui na Exame.

leia mais