• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Como é o aeroporto dos milionários, que agora terá até voos internacionais

A pouco mais de 60 km da capital paulista, o Aeroporto Catarina agora pode operar voos internacionais sem depender de terminais maiores; por dentro, empreendimento da JHSF é um misto de hotelaria de luxo com galeria de arte
 (Divulgação/Paulo Mancini/JHSF)
(Divulgação/Paulo Mancini/JHSF)
Por GabrielJustoPublicado em 25/06/2021 12:20 | Última atualização em 02/07/2021 19:57Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Nesta quinta-feira (24), o São Paulo Catarina Aeroporto foi autorizado pela ANAC a operar voos internacionais, se tornando o primeiro aeroporto privado do país a receber esse tipo de operação.

A novidade vem em boa hora: com a autorização, os jatos executivos atendidos pelo aeroporto não precisam mais passar por terminais maiores, como Guarulhos, Viracopos e Recife, para seguir rumo ao exterior, economizando altas cifras em combustíveis e taxas aeroportuárias. Não à toa, após o anúncio, as ações da JHSF, que construiu e opera o Catarina, saltaram 7% na B3.

Um novo CGH?

Inaugurado em dezembro de 2019 em São Roque, a 60km de São Paulo - ou apenas 15 minutos de helicóptero -, o Catarina é fruto de um investimento de 600 milhões de reais e deve acabar com a disputa por espaço a que os jatinhos da aviação executiva são submetidos em aeroportos comerciais. Congonhas, por exemplo, tem uma pista exclusiva para a aviação geral, mas pouco espaço para manejar e abrigar as aeronaves - hoje, cerca de 150 "moram" lá.

No Catarina, são 6.000 m² de hangares e mais de 21.000 m² de pátios dedicado aos jatinhos. A pista tem 2,4km - 500m a mais que Congonhas -, permitindo o pouso de jatos executivos de longo alcance, como o novo Falcon 10x, que tem autonomia para voar de São Paulo para qualquer ponto das Américas, África, Europa e Oriente Médio.

Saguão do Catarina, aeroporto privado dedicado à aviação executiva em São Roque (SP) (Björn Wallander/Divulgação)

Ambiente sofisticado

Para receber aviões e clientes tão VIP's assim, o Catarina, é claro, tinha que estar à altura. Ao invés de dezenas de lojas e restaurantes, os 750 m² do saguão abrigam um ambiente que está entre a hotelaria de luxo e uma galeria de arte, com lounges, cinema e até academia. Tudo com muita iluminação natural, proporcionada por uma enorme vidraçaria que também oferece uma vista deslumbrante da pista.

O projeto é assinado pela Triptyque Architecture, com mobiliário desenhado exclusivamente para o aeroporto pelos arquitetos Murilo Lomas e Sig Bergamin. Obras de grandes nomes das artes plásticas, como Janaina Melo Landini, Fábio Baroli, Pedro Varela e Luis Coquenão, dão vida ao espaço, com destaque para a pela "Obreiros", de Tânia Candiani, que quase flutua no enorme pé direito do terminal.

Além do aeroporto Catarina, o complexo construído pela JHSF no km 60 da Castelo Branco inclui também com um shopping outlet e um centro empresarial, numa área total de 5,2 milhões de metros quadrados.

Saguão do Catarina, aeroporto privado dedicado à aviação executiva em São Roque (SP) (Björn Wallander/Divulgação)

Além da aviação comercial

Comuns no exterior, os aeroportos privados ainda são uma novidade no Brasil, e desempenham um papel importante no desenvolvimento da chamada aviação geral - aquela que não é comercial e nem militar -, permitindo o crescimento do setor fora de boa parte das amarras burocráticas estatais.

Em outubro do ano passado, a ANAC lançou o programa Voo Simples, um pacote com dezenas de ações para modernizar e simplificar a regulação da aviação geral. A iniciativa permitiu, por exemplo, a venda de assentos individuais em aeronaves executivas, destravando os caminhos para empresas dedicadas ao compartilhamento de jatinhos particulares - justamente as "companhias" que operam no Catarina.

Apesar de ter sido o primeiro terminal privado dedicado à aviação executiva, o Catarina não estará sozinho por muito tempo. Até 2024, a região metropolitana de Goiânia contará com as operações do Antares Polo Aeronáutico, um aeroporto privado com 209 hectares de área e uma pista de 1,8 km, além de 654 mil m² de hangares. Por estar no centro geográfico do Brasil, numa região que concentra 20% das aeronaves do país, o empreendimento pretende ser um grande hub da aviação executiva nacional.