Com quarentena, audiência da TV paga cresce 19%

A audiência média da TV paga teve alta de 19% na semana entre 9 e 15 de março

Se há alguns segmentos beneficiados em meio à quarentena geral causada pelo coronavírus, um deles é a televisão. Será divulgado nesta segunda-feira, 30, um estudo inédito da Turner, do grupo WarnerMedia, que mostra que, com a quarentena imposta aos brasileiros diante da pandemia, a audiência da TV paga cresceu rapidamente.

Do total de pessoas que são assinantes de TV paga, a quantidade de pessoas com a TV ligada (seja em canal aberto, seja pago) subiu 17% entre a semana pré-quarentena de 2 a 8 de março e a primeira semana de quarentena, 16 a 22 de março, passando de 38,94% para 45,73%.

Já a audiência média da TV paga teve alta de 19% entre a semana de 9 a 15 de março (logo antes da quarentena começar) e a semana de 16 a 22 de março. Comparando somente os fins de semana desse intervalo, o crescimento foi de 25%.

Notícias, conteúdo para os filhos e entretenimento (filmes, séries): é isso o que o brasileiro mais busca no confinamento do lar. O segmento de canais que mais se beneficiou dessa mudança de hábito no consumo de TV entre os brasileiros foi o segmento de notícias, que viu sua audiência subir 111% entre 9 e 22 de março.

Os canais de entretenimento (filmes e séries) viram sua audiência crescer 31% no período, enquanto os canais infantis cresceram 23%.

“Estamos testemunhando um resgate da ‘big screen’ e as marcas já notaram isso. Antes deste cenário, não tinha tanta importância o tamanho da tela ou o momento de consumo. Virou hábito assistir a coisas no celular, sozinhos, no caminho do trabalho. Agora, voltamos a ver juntos, voltamos a reunir as famílias, o que tem sido um dos poucos alívios diante dos atuais acontecimentos”, diz Marcela Doria, VP de Data & Insights da Turner WarnerMedia.

Na TV aberta, o BBB20 tem visto sua audiência aumentar nas últimas semanas, batendo recordes na semana que iniciou a quarentena. Mais brasileiros em casa e usando o Twitter resultou em resultados positivos para a Globo, que espera reverter isso em receita publicitária.

Resta saber se, passada a quarentena e a pandemia, os brasileiros manterão o hábito de ver mais televisão em casa e os anunciantes poderão contar com essa audiência “engordada” dali em diante. “Quando pensamos de audiência, estamos falando muitas vezes de criar hábito.

Neste sentido, se as pessoas ficarem por mais ou menos nesta situação, isoladas em casa, uma parte delas pode sim passar a consumir regularmente esse canais. Acredito que, como em vários negócios, nada será 100% como antes. Estamos vivenciando aprendizados no dia-a-dia e isso fica. O tempo que o Brasil ficar nesta situação e o quão grave ela será influenciará o cenário de audiência no futuro, é difícil prever agora”, analisa Daniel Spinelli, Diretor de Data & Insights da Turner Brasil.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 1,90

Nos três primeiros meses,
após este período: R$ 15,90

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.