• AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
  • AALR3 R$ 20,15 -0.74
  • AAPL34 R$ 67,35 -0.01
  • ABCB4 R$ 16,54 -0.66
  • ABEV3 R$ 14,00 -0.92
  • AERI3 R$ 3,57 -1.11
  • AESB3 R$ 10,86 2.26
  • AGRO3 R$ 30,93 -0.58
  • ALPA4 R$ 21,43 2.88
  • ALSO3 R$ 19,02 0.05
  • ALUP11 R$ 27,10 -0.77
  • AMAR3 R$ 2,52 5.00
  • AMBP3 R$ 31,00 2.31
  • AMER3 R$ 21,89 -4.33
  • AMZO34 R$ 65,21 2.26
  • ANIM3 R$ 5,47 2.05
  • ARZZ3 R$ 79,20 -0.75
  • ASAI3 R$ 15,65 -1.57
  • AZUL4 R$ 20,07 -3.00
  • B3SA3 R$ 11,89 -1.08
  • BBAS3 R$ 37,43 -0.98
Abra sua conta no BTG

CBF: não será obrigatória publicidade de empresa que rompeu com clubes

Juíza alegou que Sport Promotion agiu de “má-fé”. Além de revogar a decisão ela também aplicou uma multa na empresa
 (Getty Images/Buda Mendes)
(Getty Images/Buda Mendes)
Por Agência O GloboPublicado em 12/05/2022 08:17 | Última atualização em 12/05/2022 08:47Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Justiça revogou uma decisão que obrigava a CBF a exibir placas publicitárias comercializadas pela empresa Sport Promotion nas partidas das series A e B sob pena de multa de R$ 700 mil por partida. A decisão foi revista pela mesma juíza um dia após ser decreta. Ela alegou “má-fé da parte autora (Sport Promotion) ao induzir este Juízo a erro" e multou a empresa.

O imbróglio começou quando 11 clubes (América-MG, Atlético-GO, Avaí, Ceará, Atlético-MG, Coritiba, Cuiabá, Juventude, Fortaleza, Fluminense e Goiás) decidiram romper unilateralmente o contrato sobre a exibição das placas de publicidade durante os jogos. Eles pagaram multa rescisória e junto com o Athletico-PR sinalizaram que assinariam contrato com outra empresa, a Brax.

Entretanto, a Sport Promotion entrou na Justiça no Rio de Janeiro e conseguiu uma decisão na 40ª Vara Cível da Capital que proibia os clubes de assinarem com outra empresa. Ela alegou que honrou todos os seus compromissos.

A CBF foi acionada nos processos porque ela é a detentora das placas e acusou a empresa de estar inadimplente com os pagamentos. A confederação também iniciou um processo na Centro Brasileiro de Mediação e Arbitragem).

O processo na Justiça Comum foi à segunda instância, onde os desembargadores decidiram que é possível romper o contrato, mas que não caberia mais a eles julgarem já que se iniciou um processo na Arbitragem.

A Sport Promotion recorreu e entrou com outra ação, também no Rio de Janeiro, mas na 1ª Vara Regional da Barra da Tijuca. Nesse processo a empresa se referiu as publicidades nas séries A e B.

A princípio, a juíza Bianca Nigri acatou o pedido da empresa e determinou o pagamento de R$ 700 mil “para cada partida em que a parte autora (Sport Promotion) vier a ser impedida de colocar seus equipamentos”. A CBF recorreu, juntou documentos ao processo e alegou que a empresa estava agindo de má-fé o que fez a juíza reconsiderar a sua decisão, além de extinguir o processo que corre na sua vara.

Em sua decisão, a magistrada afirmou que a empresa “sequer mencionou nos autos a existência” do outro processo “de forma que este Juízo só tem a concluir pela má-fé da parte autora ao induzir este Juízo a erro”. Ela também citou que as ações devem “ser reunidas para evitar decisões conflitantes, mormente quando a parte autora está em deslealdade processual”.

Conheça a newsletter da EXAME Casual, uma seleção de conteúdos para você aproveitar seu tempo livre com qualidade.