Catar levanta estádio 100% desmontável para Copa do Mundo

País sede do Mundial deste ano levantou sete estádios do zero, um deles, o Ras Abu Aboud, construído totalmente com estruturas provisórias
 (Hamad I Mohammed/Reuters)
(Hamad I Mohammed/Reuters)
Por Da RedaçãoPublicado em 18/04/2022 11:13 | Última atualização em 19/04/2022 10:29Tempo de Leitura: 4 min de leitura

Há pouco mais de sete meses para o início da Copa do Mundo da FIFA, o Catar intensifica a movimentação para desmontar os canteiros de obras que se espalharam pelo país durante o período de preparação. Foram construídos sete novos estádios, sendo o maior deles o Lusail, com capacidade para 80 mil pessoas, que sediará a final do torneio, no dia 18 de dezembro.

Quer receber os conteúdos mais quentes da semana? Preencha seu cadastro aqui e saiba tudo com a newsletter da EXAME Casual.

Ao todo, a infraestrutura esportiva do Catar contará com 8 estádios sedes, sendo que apenas um deles, o Internacional Khalifa, não foi levantado do zero. Apesar de ser bastante novo, inaugurado em 2017, o Khalifa passou por uma grande reforma, e teve suas instalações modernizadas para receber oito jogos do Mundial, incluindo a disputa do 3º lugar. Além dos estádios, o Catar construiu também um novo aeroporto, novas linhas de metrô e ampliou sua malha rodoviária.

Chama a atenção dentre os estádios construídos a presença de uma arena 100% desmontável: o Ras Abu Aboud, localizado em frente à baía de Doha. O Estádio foi construído em forma modular, utilizando vidros e cerca de 974 contêineres e tubulações. Sua estrutura comporta até 40 mil pessoas e sediará 7 partidas. Após a realização do mundial, o Ras Abu Aboud será desmontado e sua estrutura será aproveitada para a construção de várias praças esportivas no Catar.

A diretora executiva da Fast Engenharia, empresa brasileira especializada em engenharia e montagem de estrutura provisórias, Tatiana Fasolari, ressalta a ousadia do projeto catari: “Nós estivemos no Catar no ano passado visitando o Ras Aboud com nosso parceiro local, a Alutec, empresa responsável pela execução deste estádio. In loco é realmente um projeto brilhante, que ao mesmo tempo mistura materiais simples como containers, com um projeto arquitetônico arrojado”.

Com vasta experiência em montagem de eventos esportivos pela Fast Engenharia e maior empresa de overlay da América Latina, com trabalhos realizados nas Olimpíadas do Rio 2016, na Copa do Mundo do Brasil 2014, GP de Fórmula 1 de São Paulo, ATP 500 Rio Open 2019, Jogos Olímpicos da Juventude em Buenos Aires 2028, Jogos Pan-americanos de Lima 2019 e outros, Fasolari analisa a complexidade e a expertise necessária para a realização de um projeto nos moldes realizados pela organização da Copa do Mundo:

“A infraestrutura temporária em grandes eventos é a grande tendência deste século. Por ser extremamente sustentável, com a reutilização de praticamente todo material, redução de custo na construção e principalmente na manutenção pós a realização do evento. O grande desafio deste modelo de negócio e ter empresas capazes de executar estes projetos dentro dos prazos estipulados pelos comitês locais, que normalmente são extremamente curtos. A gestão e experiencia da equipe é fundamental, afinal, não podemos atrasar nem um segundo sequer. O evento tem dia e hora para começar, não é possível a modificação da data de início”.

Além de evitar os famosos e temidos “elefantes-brancos”, megaestruturas subaproveitadas e deixadas à deriva após a realização do evento, a ideia do Comitê Organizador da Copa do Mundo é deixar um legado físico a outros esportes após o encerramento do evento futebolístico, uma vez que o Ras Abu Aboud será desmontado e servirá para montagem de futuras praças esportivas. Cerca de 170 mil assentos poderão ser refeitos a partir da estrutura do estádio desmontado.

Toda essa estruturação do Catar para receber um dos maiores eventos esportivos do mundo foi entregue com aproximadamente 1 ano de antecedência. Comumente realizado no meio do ano, a 22ª edição da Copa do Mundo, no Catar, foi transferido para o final do ano (novembro), afim de garantir temperaturas mais amenas tanto para comissões técnicas e jogadores, como para torcedores e fãs de futebol que frequentarão o evento.