Apple compra programas antigos para TV+ em desafio à Netflix

A medida representa uma sutil mudança de estratégia para o Apple TV+, lançado em novembro com programas originais

A Apple decidiu comprar filmes e programas antigos para o serviço de streaming TV+ e criar um catálogo de conteúdo que possa fazer frente às enormes bibliotecas disponíveis na Netflix, Hulu e Disney+.

Os executivos de programação de vídeo da empresa aceitaram ofertas de estúdios de Hollywood para o licenciamento de conteúdo antigo para o TV+ e compraram alguns programas e filmes, segundo pessoas a par do assunto.

A medida representa uma sutil mudança de estratégia para o Apple TV+, lançado em novembro com programas originais. A empresa planeja manter o TV+ focado em programas originais e ainda não comprou grandes franquias ou blockbusters para o catálogo, segundo as pessoas, que falaram sob condição de anonimato.

Ainda assim, é um reconhecimento de que serviços de streaming bem-sucedidos geralmente têm uma combinação de programas antigos e novos. Essa tem sido a fórmula da Netflix, Hulu e Disney+, da Disney, e Prime Video da Amazon.com.

O serviço da Netflix tem milhares de títulos. Já o Apple TV+ lista menos de 30 filmes e programas originais no site, que incluem o “The Morning Show”, estrelado por Reese Witherspoon e Jennifer Aniston, e “Defending Jacob”, com Chris Evans.

Mas o TV+ é mais barato do que a maioria dos rivais. Custa US$ 4,99 por mês, menos da metade da assinatura típica da Netflix, e é gratuito por um ano para quem compra aparelhos da marca Apple.

Até recentemente, a Apple evitava comprar direitos para programas antigos como “Seinfeld”, que está na Netflix, ou “Friends”, que estará disponível na HBO Max. Em vez de adquirir ou criar sua própria biblioteca, a Apple tem buscado trabalhar com parceiros de mídia. O novo aplicativo de TV da empresa, lançado no ano passado, possui recursos de assinatura incorporados para serviços como Starz, Showtime e HBO.

Mas essa abordagem produziu resultados diversos. Embora cerca de 10 milhões de pessoas tenham assinado o TV+ em fevereiro, apenas metade desse número usou ativamente o serviço, de acordo com pessoas a par do assunto.

Esses números são ofuscados pelo Disney+, que registrou mais de 10 milhões de usuários no prazo de um dia desde o lançamento nos EUA e, desde então, ultrapassou 50 milhões de assinantes. A Netflix adicionou quase 16 milhões de clientes apenas no primeiro trimestre de 2020.

Ainda assim, o Apple TV+ ajudou a expandir o segmento de serviços da empresa, que no último trimestre gerou US$ 13,3 bilhões para a gigante da tecnologia ou cerca de 23% da receita. A Apple não informou a receita gerada pelo TV+ ou o número de assinantes. Mas, em entrevista em abril, o CEO Tim Cook disse à Bloomberg Television que o uso do serviço aumentou devido ao maior número de pessoas em casa devido à pandemia.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.

Você já leu todo conteúdo gratuito deste mês.

Assine e tenha o melhor conteúdo do seu dia, talvez o único que você precise.

Já é assinante? Entre aqui.

Plano mensal Revista Digital

Plano mensal Revista Digital + Impressa

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis

R$ 15,90/mês

R$ 44,90/mês

Plano mensal Revista Digital

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

ASSINE

Plano mensal Revista Digital + Impressa

Acesse ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças + Edição impressa quinzenal com frete grátis.

ASSINE