Após escândalo, ciclismo quer mais provas no Rio/2016

Em encontro realizado em Louisville, nos Estados Unidos, o comitê da UCI decidiu solicitar ao COI que inclua, no programa da próxima Olimpíada, mais seis provas

	Apesar da polêmica com Armstrong, União Ciclística Internacional defende mais provas
 (getty images)
Apesar da polêmica com Armstrong, União Ciclística Internacional defende mais provas (getty images)
Por Da RedaçãoPublicado em 02/02/2013 11:13 | Última atualização em 02/02/2013 11:13Tempo de Leitura: 2 min de leitura

Louisville - Os mais críticos defendem que o ciclismo seja excluído dos Jogos Olímpicos até que resolva os seus problemas com o doping, escancarados por Lance Armstrong. Mas a União Ciclística Internacional (UCI) parece não ligar para a situação. Neste sábado, o comitê executivo da entidade decidiu pedir mais seis provas nos Jogos do Rio, em 2016.

Em encontro realizado em Louisville, nos Estados Unidos, o comitê da UCI decidiu solicitar ao COI que inclua, no programa da próxima Olimpíada, mais seis provas, três por gênero: uma na pista, outra no BMX e mais uma no mountain bike.

Os planos da UCI incluem o retorno da contestada corrida por pontos, considerada uma das mais difíceis de se entender para o grande público e que, por isso, foi retirada do programa (junto com o Madison e com a perseguição individual) para dar lugar ao Omnium nos Jogos de Londres.

A UCI também vai pedir a inclusão de uma prova de BMX estilo livre, no qual os atletas fazem manobras no ar com suas bicicletas e uma competição eliminatória de mountain bike, com quatro competidores competindo em provas curtas, muito mais atrativas para o público do que o mountain bike olímpico atual, que, como uma maratona, leva cerca de 1h30min numa prova contínua.

Em Londres, o ciclismo teve direito a 16 medalhas de ouro, igualmente divididas entre homens e mulheres. Pelo novo formato proposto pela UCI, seriam 22. Os pedidos de alteração no programa olímpico serão julgados pela assembleia do COI, em setembro, em Buenos Aires.