Um conteúdo Bússola

Ninguém pode perder. Como faz então?

No exterior, nem Washington nem Moscou podem ser derrotados. Aqui, nem STF nem Bolsonaro dão o braço a torcer. Como desatar esses nós?
A disputa entre Moscou e Kiev evolui para uma confrontação Rússia e (Otan), liderada pelos Estados Unidos (Brendan Smialowski/Alexei Nikolsky/Getty Images)
A disputa entre Moscou e Kiev evolui para uma confrontação Rússia e (Otan), liderada pelos Estados Unidos (Brendan Smialowski/Alexei Nikolsky/Getty Images)
Por BússolaPublicado em 22/05/2022 17:46 | Última atualização em 22/05/2022 17:46Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Alon Feuerwerker*

Qual o principal nó político no conflito russo-ucraniano? É a consequência mais imediata de ter deixado de ser uma disputa entre Moscou e Kiev e evoluído para uma confrontação militar entre a Rússia e a Organização do Tratado do Atlântico Norte (Otan), liderada pelos Estados Unidos, que por sua vez estão numa guerra não declarada com os russos por meio da Ucrânia. O nó? Nem Washington nem Moscou podem ser derrotados.

Certo desfecho que atenda de alguma maneira às demandas russas de antes de 24 de fevereiro corre o risco de ser recebido pelos eleitores americanos como um fracasso de Joe Biden, que no final deste ano enfrenta eleições de meio de mandato para renovar a Câmara dos Representantes (deputados) e boa parte do Senado. As midterm do primeiro quadriênio costumam ser complicadas para o ocupante da Casa Branca, e os índices de Biden estão ruins.

No outro lado, algo que cheire a derrota empurrará Vladimir Putin para a zona de alto risco político, também pelos custos humanos, materiais e econômicos da operação militar. E a maior ameaça não viria de eventuais movimentos pró-Ocidente, mas de lideranças patrióticas que buscariam responder às frustrações desencadeadas, entre outros fatores, pela incapacidade de defender as populações russas nas áreas desgarradas após o fim da União Soviética.

Uma rápida passada de olhos pela história russa e soviética dos últimos dois séculos faz qualquer um entender a sensibilidade ali diante de potenciais ameaças ao território e à população.

E no Brasil, qual é o nó? A exemplo da pendenga europeia, o fato de nem o Supremo Tribunal Federal (STF) nem o presidente da República darem até agora sinal de aceitar ser derrotados na refrega em torno do sistema de votação. O STF (do qual o Tribunal Superior Eleitoral é, na prática, uma subseção) é o certificador do processo; e o presidente, na polarização, carrega com ele hoje quatro de cada dez votos num eventual segundo turno.

É briga grande.

Curiosamente, a situação não chega a ser 100% original. Quatro anos atrás, quando Luiz Inácio Lula da Silva ficou inelegível pela condenação em segunda instância agora anulada, o Partido dos Trabalhadores lançou o “Eleição sem Lula é Fraude”. E esticou a corda até a véspera do segundo turno. Ali o impasse resolveu-se pacificamente, também por dois motivos: 1) o PT não estava no poder e 2) o PT acreditava que tinha chances, mesmo sem Lula na urna.

Tanto tinha que Fernando Haddad disputou um segundo turno bem competitivo.

Os personagens da trama de agora já deixaram passar algumas ocasiões propícias à desejável redução da temperatura. Elio Gaspari, que viu alguns filmes parecidos, abordou o assunto por um ângulo histórico cerca de um mês atrás. A corda está esticada, mas não se deve desistir de o país chegar à eleição com todo mundo deixando claro que aceitará o resultado. Por razões que dariam outro artigo, talvez estejam faltando atores dispostos a assumir os papéis capazes de levar a trama a esse feliz desfecho.

A exemplo do que se passa agora no leste europeu. Sim, o indivíduo tem um papel na História.

*Alon Feuerwerker é Analista Político da FSB Comunicação

Este é um conteúdo da Bússola, parceria entre a FSB Comunicação e a Exame. O texto não reflete necessariamente a opinião da Exame.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube

Veja Também

A polarização e o estertor da Nova República
Um conteúdo Bússola
Há 2 dias • 3 min de leitura

A polarização e o estertor da Nova República

Alon Feuerwerker: O dragão e a eleição
Um conteúdo Bússola
Há uma semana • 4 min de leitura

Alon Feuerwerker: O dragão e a eleição

Alon Feuerwerker: As circunstâncias políticas da inflação
Um conteúdo Bússola
Há 2 semanas • 4 min de leitura

Alon Feuerwerker: As circunstâncias políticas da inflação

O difícil caminho de Tebet
Um conteúdo Bússola
Há 3 semanas • 3 min de leitura

O difícil caminho de Tebet

Alon Feuerwerker: E a Covid-19?
Bússola
Há um mês • 3 min de leitura

Alon Feuerwerker: E a Covid-19?

O enigma brasileiro
Um conteúdo Bússola
Há 2 meses • 3 min de leitura

O enigma brasileiro

Desbalcanização ou semipresidencialismo?
Apresentado por Bússola
Há 2 meses • 4 min de leitura

Desbalcanização ou semipresidencialismo?