A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Inflação e custo de vida: as novas preocupações dos brasileiros

Em meio à pandemia do novo coronavírus, a situação econômica e a falta de emprego são as principais preocupações da população

Por André Jácomo*

Para muitas pessoas, a pandemia deixou de ser o principal problema do país neste momento. Com mais brasileiros vacinados do que não vacinados, algumas rotinas do velho mundo vão voltando ao normal lentamente. Mas nem tudo voltou ao normal: ou porque alguns ainda sentem medo da covid-19 e suas variantes ou porque economicamente estão impossibilitados de fazê-lo.

Hoje, a preocupação do brasileiro com sua situação econômico-financeira é tão grande quanto à sua preocupação com a saúde. Uma pesquisa realizada em agosto pelo Instituto FSB Pesquisa com 2.000 brasileiros, com representatividade em todos os segmentos sociodemográficos, mostrou que 32% apontam a saúde como a primeira ou segunda preocupação com o país. Em seguida, as questões econômicas saltam aos olhos. São 31% dos entrevistados que selecionam o desemprego como uma das principais preocupações e 27% mencionam o custo de vida.

Esse último dado precisa ser colocado em duas perspectivas dentro das pesquisas de opinião: uma histórica e outra transversal.

Desde 1990, nunca as pesquisas de opinião tinham medido uma saliência tão alta da preocupação com a inflação pela população brasileira. Nesse período, a percepção da inflação como um dos problemas mais graves nunca superou dois dígitos. Apenas para termos ideia, em março deste ano, 12% dos brasileiros diziam que os preços eram uma das principais preocupações. Atrás de outros problemas, como pobreza, corrupção e educação.

Por outro lado, a pesquisa realizada pelo Instituto FSB Pesquisa mostra uma grande homogeneidade entre os perfis socioeconômicos que citam preocupação com o custo de vida. Não há grandes variações nesse percentual seja entre os diferentes sexos, faixas etárias, níveis de renda, regiões do país ou porte de município. Todos estão muito preocupados com os preços das coisas.

A grande questão é que como qualquer tema da agenda política, um assunto vira uma preocupação à medida que ele se torna notável, seja por meio de experiências diárias, seja através dos meios de comunicação. Acontece que ao contrário de alguns problemas, o custo de vida é sentido diretamente no bolso das pessoas e dificilmente há espaço para qualquer intermediação de comunicação.

*André Jácomo é diretor do Instituto FSB Pesquisa

Este é um conteúdo da Bússola, parceria entre a FSB Comunicação e a EXAME. O texto não reflete necessariamente a opinião da EXAME.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedinTwitter | Facebook | Youtube

Veja também

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também