• AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
  • AALR3 R$ 20,29 0.74
  • AAPL34 R$ 67,40 -2.05
  • ABCB4 R$ 16,73 -0.18
  • ABEV3 R$ 14,19 0.78
  • AERI3 R$ 3,63 -6.20
  • AESB3 R$ 10,65 -2.92
  • AGRO3 R$ 31,09 0.61
  • ALPA4 R$ 20,82 0.29
  • ALSO3 R$ 19,15 -1.64
  • ALUP11 R$ 27,31 0.52
  • AMAR3 R$ 2,40 -2.83
  • AMBP3 R$ 30,55 -1.99
  • AMER3 R$ 22,85 -5.07
  • AMZO34 R$ 63,86 -2.50
  • ANIM3 R$ 5,36 -3.42
  • ARZZ3 R$ 79,90 0.49
  • ASAI3 R$ 15,91 0.25
  • AZUL4 R$ 20,78 -5.37
  • B3SA3 R$ 12,02 -0.66
  • BBAS3 R$ 37,75 -0.57
Abra sua conta no BTG

Futuro, tecnologia e clima: Em busca de novos líderes e exemplos

É um ledo engano acreditar que todas as maiores inovações do mundo, em especial, o advento de grandes tecnologias digitais será a nossa salvação
Práticas ESG, tão propagadas nos últimos tempos, são fundamentais, mas o mundo pede mais (Reprodução/Reprodução)
Práticas ESG, tão propagadas nos últimos tempos, são fundamentais, mas o mundo pede mais (Reprodução/Reprodução)
Por BússolaPublicado em 23/01/2022 11:37 | Última atualização em 23/01/2022 13:57Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Por Hugo Tadeu*

Não existe futuro para a nossa sociedade sem um clima adequado, natureza respeitada e maior dignidade humana. É um ledo engano acreditar que todas as maiores inovações do mundo, em especial, o advento de grandes tecnologias digitais será a nossa salvação. Ousaria dizer que estas ditas tecnologias computacionais estão nos livrando de um problema maior, porém, circunstancial.

Inúmeras pesquisas sérias e com alto nível de profundidade técnica têm sido publicadas nos últimos anos, destacando os riscos para o aumento da temperatura, cenários possíveis preocupantes para o aumento das chuvas, secas frequentes, problemas com fornecimento de água, energia e desafios para o crescimento econômico.

Além destes fatores, tem-se o risco de novas epidemias, como a covid-19. Aliás, um interessante artigo com o título “Prediction and prevention of the next pandemic zoonosis”, publicado em 2012 no prestigiado periódico The Lancet, sugeria uma relação entre o aumento das temperaturas e riscos causados por vírus.

No entanto, a comunidade internacional insiste em postergar decisões importantes. Por exemplo, um dos grandes responsáveis pelos atuais desafios climáticos é o setor de transportes, com emissões gigantescas de combustíveis fósseis todos os dias na nossa camada atmosférica. Seguido deste setor, está o agronegócio, estimulando o consumo de produtos com ampla demanda por terras, consequentemente desmatamento e impacto no planeta. Seria possível listar outros setores e importantes desafios.

Enquanto isto, existem esperançosos com as novas tecnologias digitais, sugerindo que se vive na dita singularidade e com ganhos para o planeta. Será? Até quando será aceito apelo único por novas tecnologias, enquanto existem desafios relacionados ao comportamento das pessoas, mudanças culturais importantes, desafios quanto ao modelo consumista, formas de crescimento e claro, os tradicionais incentivos econômicos.

As práticas ESG, tão propagadas nos últimos tempos, são fundamentais, mas o mundo pede mais. Pede-se uma revisão nos modelos de produção, nos indicadores financeiros das empresas e uma maior responsabilidade das autoridades públicas em busca por um senso de mudança.

Como diria Churchill, em um momento importante da segunda Guerra Mundial “se pudermos resistir..., toda a Europa poderá ser livre e a vida no planeta poderá seguir adiante para horizontes abertos e ensolarados.

Mas, se nós cairmos, então o mundo inteiro..., incluindo tudo que conhecemos e do que gostados, vai afundar no abismo de uma nova Idade das Pedras, ainda mais sinistra e talvez mais prolongada pelo uso de uma ciência pervertida”. O inimigo na época era Hitler, hoje talvez, sejamos nós os algozes do planeta pedindo salvação. Precisa-se de novos líderes, exemplos e caminhos alternativos rumo ao futuro.

*Hugo Tadeu é professor e pesquisador da Fundação Dom Cabral.

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube