Estamos de cara nova! E continuamos com o conteúdo de qualidade.
Nova Exame

Figueira centenária volta à vida em peças de Hideko Honma

Artista transforma cinzas da árvore em esmaltes para decorar suas cerâmicas, expostas no Museu da Imigração

Em homenagem a uma das figueiras centenárias do complexo da antiga Hospedaria do Brás, o Museu da Imigração inaugurou ontem a exposição temporária “1300° - Das cinzas, uma árvore”, da ceramista Hideko Honma. A iniciativa foi idealizada para mostrar a importância e ressignificar a perda da árvore ícone do local que, depois de acompanhar histórias e sonhos de mais de 2,5 milhões de pessoas na hospedaria e encantar visitantes nos 27 anos de existência do museu, encerrou o seu ciclo de vida no final de 2020.

Visando mantê-la presente no espaço, além do Projeto Raiz, que traz narrações desenvolvidas especialmente para a ação e que podem ser ouvidas no interior do tronco restante da árvore, foram preservados galhos. A ceramista Hideko Honma foi convidada para integrar o projeto.

“As figueiras do complexo do museu tornaram-se símbolos para colaboradores, migrantes e visitantes, como testemunhas do que foi vivido no passado. Diante da perda dessa árvore, nosso trabalho se voltou para garantir que tais sentimentos continuassem vivos, o que foi concluído de maneira brilhante pela Hideko”, diz a diretora executiva da instituição, Alessandra Almeida.

Por meio da técnica japonesa da queima, a profissional transformou as cinzas da árvore em esmaltes, criando 11 garrafas de cerâmica. Dispostas em uma escultura aérea em espiral, as peças poderão ser prestigiadas na curadoria, que também contará com 368 corpos de teste, revelando as diferentes cores e texturas da figueira.

“Cada ser da natureza possui, na sua memória genética e de vida local, uma estética e um lugar na história, que só o fogo trará à tona. O objetivo, além da busca estética, é a documentação do processo para compartilhar resultados e questionamentos com o público frequentador dessa instituição cultural e pública”, afirma Hideko.

No mesmo ambiente, protegidas por um acrílico, estarão amostras das cinzas em estágios variados do processo, bem como um caderno de anotações da artista relacionado a essa produção. Uma projeção de imagens, um poema visual, da transformação e os registros do acervo iconográfico do museu – destacando a figueira e os migrantes – também fazem parte da exposição.

Exposição Temporária “1300° Das cinzas, uma árvore”, das 11h às 17h, bilheteria até as 16h, Museu da Imigração, Rua Visconde de Parnaíba, 1.316; ingressos R$10,  meia-entrada para estudantes e pessoas acima de 60 anos, grátis aos sábados

Siga a Bússola nas redes: Instagram | LinkedInTwitter | Facebook | Youtube

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também