Ei, líder, a bola está no seu campo

92% dos CEOs consideram a sustentabilidade importante para seus negócios, porém apenas 48% afirmam que ela está sendo implementada em suas operações

A ação da liderança nas empresas é crucial para incorporar as práticas de sustentabilidade na estratégia dos negócios. E isso é urgente. Precisa começar hoje mesmo se quisermos atingir em 2030 as metas que nós mesmos traçamos para transformar o planeta. Ou ao menos chegar a 2030, numa visão mais pessimista.

 O fato é que o Pacto Global das Nações Unidas iniciou a década de 2020 com a certeza de que o mundo não estava no caminho certo para alcançar nos próximos dez anos os ODS (Objetivos do Desenvolvimento Sustentável). E logo depois veio a Covid-19a para agigantar ainda mais as nossas fragilidades.

 O PGNU, então, lançou, no auge da pandemia, o relatório “Leadership for the Decade of Action” (Liderança para a Década de Ação), um documento que pode servir como um bom mapa para acertar onde for necessário a rota das corporações, por meio de quem está no comando delas.

 Foi feito um extenso estudo com 55 CEOs e membros de conselhos, de todos os continentes, considerados pioneiros em transformar a realidade de seus negócios com o ESG (práticas ambientais, sociais e de governança).

 O estudo mapeou os quatro principais atributos desses CEOs. São eles: pensamento multinível, inclusão de stakeholders na tomada de decisões, ativação de longo prazo e inovação disruptiva.

 Outro dado curioso é ver como esses executivos se tornaram conscientes. A maior parte deles (45%) sempre foi assim. São mulheres e homens que nutrem desde a infância paixão por assuntos ambientais e sociais. Foram chamados de “Born Believers”.

 Outros 43% desenvolveram ao longo da carreira uma crescente compreensão da importância estratégica da sustentabilidade. Receberam o apelido de “Convinced”.

 E os 12% restantes, batizados de “Awoken”, são aqueles que sofreram uma mudança repentina, causada por um determinado acontecimento ou uma experiência marcante, que os fez perceber que deveriam fazer mais coisas pelo mundo, e que os lucros são relevantes, mas não lideram o ranking de importância.

 A realidade num universo maior de líderes infelizmente não é a mesma. Outro estudo feito um ano antes pelo próprio PGNU com mais de mil CEOs de 99 países revelou que 92% deles consideram que a sustentabilidade será importante para o futuro de seus negócios, porém menos da metade (48%) afirma que ela está sendo implementada em suas operações. E somente 21% sentem que a empresa está desempenhando um papel fundamental para alcançar os ODS.

 E você? Está no grupo dos que já se mexeram ou ainda não?

 * Sócio-Diretor da Loures Comunicação

 

Espera! Tem um presente especial para você.

Uma oferta exclusiva válida apenas nesta Black Friday.

Libere o acesso completo agora mesmo com desconto:

exame digital

R$ 15,90/mês

R$ 6,36/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

R$ 40,41/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Apoie a Exame, por favor desabilite seu Adblock.