Ao vivo: Wilson Witzel deixa a CPI da Covid sem terminar depoimento

Ex-governador do Rio de Janeiro é alvo da Operação Placebo, da Polícia Federal, que investiga desvios na contratação de organização social para a instalação de hospitais de campanha

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

Antes de concluir o depoimento, o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel usou o habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF) e se retirou da sessão, pouco depois das 14h.

Mesmo com habeas corpus concedido pelo Supremo Tribunal Federal (STF), o ex-governador do Rio de Janeiro Wilson Witzel prestou depoimento na CPI da Covid. Esta é a primeira vez que um governador ou ex-governador presta depoimento à comissão. Os senadores planejavam questioná-lo sobre o suposto desvio de verbas públicas na instalação de hospitais de campanha, pelo qual Witzel é investigado.

O ministro Nunes Marques concedeu habeas corpus, nesta terça-feira, 15, para que Witzel não seja obrigado a comparecer à CPI, para não se autoincriminar. O ex-governador também conseguiu autorização para ficar em silêncio e não precisará fazer o juramento de dizer apenas a verdade. Ele também poderá ser acompanhado por um advogado.

O STF já concedeu outros dois habeas corpus relacionados à CPI: ao ex-ministro da Saúde Eduardo Pazuello, que teve autorização para se manter em silêncio e não se autoincriminar, e ao governador do Amazonas, Wilson Lima, que foi liberado de prestar depoimento, na semana passada.

Acompanhe ao vivo:

Expectativa para o depoimento

Witzel sofreu impeachment por suspeita de corrupção na Saúde durante a pandemia. "O então governador Wilson Witzel supostamente recebia pagamentos advindos de esquemas ilegais de todas as pastas do estado", aponta o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), em um dos requerimentos de convocação.

Randolfe afirma que o ex-governador deve ir à CPI para "explicar as graves denúncias de corrupção na área da Saúde, inclusive com recursos federais destinados ao combate à pandemia". Segundo ele, dados levantados pelo MPF mostram que, "se contabilizarmos apenas os valores ilícitos da Saúde, Witzel teria recebido em um ano R$ 20 milhões em propina".

Segundo o MPF, “levando-se em conta apenas o esquema criminoso montado para a contratação de Organizações Sociais (OS) na área de Saúde, o grupo pretendia angariar, de forma ilícita, cerca de R$ 400 milhões durante os quatro anos do mandato de Witzel”.

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 3,90/mês
  • R$ 9,90 após o terceiro mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 99,00/ano
  • R$ 99,00 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 8,25 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também