Vinte anos depois, Azeredo pode ser preso pelo mensalão tucano

ÀS SETE - Nesta terça-feira, o ex-governador mineiro terá os recursos finais do mensalão tucano julgados pelo Tribunal de Justiça (TJ) de Minas Gerais

O PSDB enfrenta os piores dias de sua história. Depois da acachapante derrota do senador Aécio Neves (PSDB-MG) no Supremo Tribunal Federal, ao tornar-se réu por corrupção passiva e obstrução de Justiça na semana passada, chegou a vez de outro destacado político da legenda passar pelo calvário.

Às Sete – um guia rápido para começar seu dia

Leia também estas outras notícias da seção Às Sete e comece o dia bem informado:

O ex-governador mineiro Eduardo Azeredo (PSDB) terá os recursos finais do mensalão tucano julgados pelo Tribunal de Justiça (TJ) de Minas Gerais nesta terça-feira.

É um episódio clássico da lentidão do judiciário em julgar políticos no Brasil. Azeredo foi condenado por peculato e lavagem de dinheiro por desviar verbas de estatais do governo para sua campanha à reeleição em 1998 — há 20 anos.

A denúncia contra o ex-governador foi apresentada em 2007 e a sentença em primeira instância saiu apenas em 2015. Em agosto do ano passado, o TJ de Minas fixou a condenação em 20 anos e um mês de prisão.

Azeredo ganhou tempo pois teve direito aos embargos infringentes, quando há discordância no tribunal colegiado à respeito da condenação.

Finalmente, se os embargos finais forem rejeitados nesta terça, o tucano pode iniciar o cumprimento de pena ainda nesta semana.

Não é demais lembrar, porém, que a detenção só pode acontecer por conta do entendimento do Supremo Tribunal Federal que permite a prisão em segunda instância. Não fosse assim, ainda caberia apelação aos tribunais superiores de Brasília e Azeredo seguiria livre, com alto risco de prescrição.

O caso destoa da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que está preso há duas semanas, apenas nove meses depois da condenação em primeiro grau. Ainda assim, a provável prisão do tucano ajuda a afastar o que se chamava no PT de perseguição contra um único partido.

Para o país, o cerco à corrupção terá cumprido seu papel, mesmo, quando o Supremo Tribunal Federal enfim começar a condenar políticos por crimes na Lava-Jato. Até agora, em quatro anos, ninguém foi preso. O relógio segue avançando.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Vinte anos depois, Azeredo pode ser preso pelo mensalão tucano

O PSDB enfrenta os piores dias de sua história. Depois da acachapante derrota do senador Aécio Neves (PSDB-MG) no Supremo Tribunal Federal, ao tornar-se réu por corrupção passiva e obstrução de Justiça na semana passada, chegou a vez de outro destacado político da legenda passar pelo calvário. O ex-governador mineiro Eduardo Azeredo (PSDB) terá os recursos finais do mensalão tucano julgados pelo Tribunal de Justiça (TJ) de Minas Gerais nesta terça-feira.

É um episódio clássico da lentidão do judiciário em julgar políticos no Brasil. Azeredo foi condenado por peculato e lavagem de dinheiro por desviar verbas de estatais do governo para sua campanha à reeleição em 1998 — há 20 anos. A denúncia contra o ex-governador foi apresentada em 2007 e a sentença em primeira instância saiu apenas em 2015. Em agosto do ano passado, o TJ de Minas fixou a condenação em 20 anos e um mês de prisão.

Azeredo ganhou tempo pois teve direito aos embargos infringentes, quando há discordância no tribunal colegiado à respeito da condenação. Finalmente, se os embargos finais forem rejeitados nesta terça, o tucano pode iniciar o cumprimento de pena ainda nesta semana. Não é demais lembrar, porém, que a detenção só pode acontecer por conta do entendimento do Supremo Tribunal Federal que permite a prisão em segunda instância. Não fosse assim, ainda caberia apelação aos tribunais superiores de Brasília e Azeredo seguiria livre, com alto risco de prescrição.

O caso destoa da prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), que está preso há duas semanas, apenas nove meses depois da condenação em primeiro grau. Ainda assim, a provável prisão do tucano ajuda a afastar o que se chamava no PT de perseguição contra um único partido. Para o país, o cerco à corrupção terá cumprido seu papel, mesmo, quando o Supremo Tribunal Federal enfim começar a condenar políticos por crimes na Lava-Jato. Até agora, em quatro anos, ninguém foi preso. O relógio segue avançando.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.