Vídeo 360 graus mostra superlotação dos presídios brasileiros

Em 2014, déficit de vagas no sistema carcerário brasileiro era de 250 mil; campanha faz abaixo-assinado por melhores condições nas cadeias

São Paulo – Um vídeo produzido pela Rede Justiça Criminal, formada por oito organizações não governamentais, mostra a realidade das celas dos presídios brasileiros: a superlotação.

A gravação em 360 graus, que foi filmada em uma reconstituição de cela com figurantes e duas pessoas que já haviam passado pelo cárcere privado, faz parte da campanha “Encarceramento em Massa não é Justiça”, que busca assinaturas para cobrar a adoção de políticas públicas para os problemas no sistema prisional.

Nos últimos 14 anos, o número de presos no sistema penitenciário do Brasil cresceu 167%, de acordo com o último levantamento do Ministério da Justiça, divulgado no final de 2016 com dados de 2014.

O problema é que os presídios brasileiros possuem apenas 371,8 mil vagas, mas abrigam, com sufoco, mais de 622,2 mil presos.

“Vinte e cinco pessoas vivendo dentro desse lugar aqui. Talvez um cachorro lá na rua tenha mais espaço do que a gente”, diz um dos egressos no vídeo.

Em menos de 48 horas, a gravação publicada na página do Facebook da ONG Conectas Direitos Humanos, que faz parte da organização, somou mais de 7,8 milhões de visualizações e 48,7 mil compartilhamentos na rede social.

A campanha também criou um site com histórias reais e dados sobre as prisões brasileiras.

 

Crise dos presídios

Já em janeiro deste ano, o Brasil enfrentou uma forte crise nas penitenciárias do país. Com mais de 130 mortos, os confrontos dentro dos presídios superaram até o massacre do Carandiru, em 1992, quando uma intervenção da Polícia Militar de São Paulo deixou 111 presos mortos.

A crise colocou em debate as elevadas taxas de superlotação nas cadeias.  O levantamento do Ministério da Justiça, porém, traz uma pista sobre como reduzir o problema. 

Em dezembro de 2014,  quando foi feito o estudo, o Brasil operava com uma taxa de ocupação de 67% acima de sua capacidade máxima. Naquele momento,  a quantidade de presos provisórios (que ainda não tinham sido julgados) era equivalente ao tamanho do déficit de vagas no sistema prisional: exatamente 249.668 detentos estavam nessa situação.

Ao menos quatro estados brasileiros poderiam praticamente zerar o problema da superlotação carcerária se reduzissem pela metade o número de presos provisórios com apenas uma mudança – veja qual é ela

*Colaborou: Talita Abrantes

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 15,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 44,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa quinzenal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.