Vacina da Sinovac é 98% eficaz e aplicação começa em dezembro, diz Doria

De acordo com o governo de São Paulo, nesta primeira etapa de vacinação contra a covid-19 serão disponibilizadas 46 milhões de doses

Os testes da vacina contra a covid-19 desenvolvida pelo laboratório chinês Sinovac, junto com o Instituto Butantan em São Paulo, mostraram que ela tem uma eficácia de 98% no grupo de voluntários acima de 60 anos. Os resultados preliminares foram apresentados pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), e pelo presidente do Butantan, Dimas Covas, nesta quarta-feira, 9.

Dos 9.000 voluntários que vão passar pela fase de testes no Brasil, 4.000 já receberam a primeira dose — ela tem duas doses, com a segunda aplicada 14 dias após a primeira. Deste total, 421 voluntários são idosos. A previsão é que até o fim de setembro todos os voluntários tenham passado pelos testes.

"As pessoas com mais de 60 anos, um dos maiores grupos de risco, receberam mais de uma dose e a resposta imune foi de 98%. Há 50 dias não temos nenhuma reação adversa entre os voluntários. Os prognósticos são promissores. Logo teremos a vacina para todos os brasileiros. A perspectiva de entrega é em dezembro deste ano"

disse Doria em coletiva de imprensa nesta quarta-feira.

Os resultados foram divulgados um dia depois do anúncio de interrupção na fase de testes em todo o mundo da vacina desenvolvida pela farmacêutica AstraZeneca e pela universidade de Oxford. Apesar de ser um processo natural e de precaução na produção de imunizantes, pode comprometer os prazos e postergar o início da vacinação.

No caso da vacina do laboratório chinês, o governo de São Paulo prevê terminar a fase de testes até o dia 15 de outubro.

"Aí ela pode ter o registro da Anvisa e disponibilizada. Em dezembro teremos 46 milhões de doses, disponíveis para o Ministério da Saúde. Muita gente me conhece e sabe que esta perspectiva é realista", disse o presidente do Butantan, Dimas Covas, também na coletiva de imprensa.

Construção de fábrica ainda depende do Ministério da Saúde

O governo de São Paulo pretende construir uma fábrica com capacidade de produzir 120 milhões de doses da vacina. Parte do investimento — 160 milhões de reais — vem da iniciativa privada. Outra parte do dinheiro — perto de 2 bilhões de reais — ainda depende do Ministério da Saúde.

"Se o Ministério da Saúde oferecer recursos para garantir a importação da vacina, assim o fará. Havendo disposição, uma visão republicana, a Coronavac poderá suprir o atendimento a milhões de brasileiros", disse o governador João Doria.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 9,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês

  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Atenção! A sua revista EXAME deixa de ser quinzenal a partir da próxima edição. Produziremos uma tiragem mensal. Clique aqui para saber mais detalhes.
Utilizamos cookies essenciais e tecnologias semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.