A página inicial está de cara nova Experimentar close button

Sem flexibilização, país cairá em recessão, diz Mercadante

Ministro traçou cenário sombrio para a economia caso o Congresso não aprove o projeto de lei que amplia os descontos na meta de superávit primário de 2014

Brasília - O ministro da Casa Civil, Aloizio Mercadante, traçou nesta quarta-feira um cenário sombrio para a economia brasileira caso o Congresso não aprove o projeto de lei que amplia os descontos na meta de superávit primário de 2014.

"Se o Congresso não construir essa flexilibização nos resta parar investimentos e entregar o superávit, o que vai nos jogar em um quadro de recessão e desemprego", disse ele em evento no Palácio do Planalto.

Embora a economia brasileira tenha entrado em recessão técnica no segundo trimestre deste ano, o índice de atividades do Banco Central indicou que o país deve ter saído da recessão no terceiro trimestre.

O ministro também disse que, caso a flexibilização fiscal não seja aprovada, as empresas poderão parar de repassar recursos para as obras de investimentos em energia, infraestrutura e transporte. "O país terá que fazer ajuste fiscal", enfatizou Mercadante.

Na terça-feira, a Comissão Mista de Orçamento (CMO) aprovou em sessão bastante tumultuada, o projeto de lei que amplia os abatimentos com gastos com o Programa de Aceleração do Crescimento (PAC) e com desonerações da meta de superávit. Mesmo com o texto aprovado na CMO, a oposição promete obstruir a votação no plenário do Congresso e ameaça recorrer ao Supremo Tribunal Federal (STF).

Se aprovado, na prática, a matéria desobriga o Executivo de realizar superávit primário este ano. De janeiro a setembro, os gastos com o PAC somam 47,2 bilhões de reais e as desonerações chegam a 75,7 bilhões de reais, segundo dados mais recentes do Tesouro. E esse montante total de 123 bilhões de reais deve subir até o fim do ano.

A meta ajustada de superávit para este ano é de 99 bilhões de reais, equivalente a 1,9 por cento do Produto Interno Bruto (PIB). Mas em 12 meses encerrados em setembro, essa economia de gastos públicos para o pagamento dos juros da dívida pública foi de apenas 0,61 por cento do PIB.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 4,90/mês
  • R$ 14,90 a partir do segundo mês.

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

exame digital anual

R$ 129,90/ano
  • R$ 129,90 à vista ou em até 12 vezes. (R$ 10,83 ao mês)

  • Acesse quando e onde quiser.

  • Acesso ilimitado ao EXAME Invest, macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo e tecnologia.
Assine

Já é assinante? Entre aqui.

Veja também