Saúde diz ter até maio para decidir sobre lote adicional da CoronaVac

Após cobrança do Butantan, Ministério da Saúde afirmou que tem exclusividade contratual para a compra das doses da CoronaVac

O Ministério da Saúde afirmou em nota divulgada na noite de quarta-feira que tem exclusividade contratual para a compra das doses da CoronaVac, vacina contra Covid-19 do laboratório chinês Sinovac, importadas e produzidas pelo Instituto Butantan e que tem até o final de maio para decidir se exercerá a opção de compra de um lote adicional de 54 milhões de doses do imunizante.

O comunicado foi divulgado cerca de 10 horas depois de o presidente do Butantan, Dimas Covas, afirmar em entrevista coletiva em São Paulo que esperava uma resposta do Ministério da Saúde sobre o interesse em exercer a opção pelas doses adicionais até o final desta semana. Ele disse que, caso não haja uma resposta, o instituto priorizará o fornecimento da CoronaVac para outros países latino-americanos.

Na nota, o ministério também criticou o governo de São Paulo, ao qual o Butantan é vinculado. A entrevista coletiva em que Covas deu as declarações aconteceu no Palácio dos Bandeirantes, sede do governo paulista.

"O ato midiático promovido pelo governo de São Paulo, sem governança sobre o presente contrato, promove a desinformação, a divisão e a politização da saúde pública do povo brasileiro, neste momento em que alguns deveriam entender a necessidade de unir esforços contra um único inimigo, que é a Covid-19", disse a pasta.

O governador paulista João Doria (PSDB) e o presidente Jair Bolsonaro são desafetos políticos e prováveis adversários na eleição presidencial de 2022. Ambos têm trocado farpas públicas sobre a CoronaVac e a gestão da pandemia.

O novo capítulo da disputa entre ambos envolvendo a vacina contra Covid-19 acontece em meio à escassez do imunizante no Brasil e no exterior e a uma campanha de vacinação que ainda engatinha no Brasil, dado a pouca quantidade de doses.

"O contratante (Ministério da Saúde) possui até o dia 30 de maio para manifestar sua opção de compra das 54 milhões de doses adicionais. Deve-se nesse momento priorizar o cumprimento do objeto contratado", disse a pasta em comunicado, afirmando que, das 46 milhões de doses previstas até abril, o Butantan entregou 6,7 milhões até o momento.

A pasta disse ainda que "irá analisar" o ofício enviado por Covas pedindo manifestação sobre interesse nas doses adicionais e que "ainda está dentro do prazo legal previsto no contrato" para fazê-lo.

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.