Rio Grande do Sul vê risco de colapso na saúde com variante de Manaus

Mutação foi identificada em Gramado, onde as internações pela Covid-19 aumentaram 54% em 15 dias; especialistas alertam para crise sem precedentes no estado

O recorde de internações pelo coronavírus no Rio Grande do Sul colocou o estado em alerta. Essa semana, o número de pacientes que deram entrada em hospitais em decorrência da Covid-19 teve um aumento de cerca de 40% em relação à semana anterior. Em Porto Alegre, o Hospital Moinhos de Vento, um dos principais da capital, já não tem mais leitos de UTI disponíveis -- em todo o estado, a ocupação de unidades de terapia intensiva passa de 80%.

O Rio Grande do Sul atingiu o maior nível de internações por Covid-19 desde o início da pandemia, com 3.544 pacientes em leitos de UTI pela doença nesta sexta-feira, dia 19. Desses, 51,3% necessitam de respiradores, diante de 42,9% no dia 5 deste mês.

"A partir de outubro, a situação descontrolou no estado e agora tem sido muito grave", diz Pedro Curi Hallal, reitor da Universidade Federal de Pelotas. "Com a confirmação de que a nova variante está circulando aqui, existe um risco de colapso no sistema de saúde".

A variante de Manaus, a P.1, foi detectada em Gramado, no interior do Rio Grande do Sul, na última sexta-feira, dia 12, em um paciente de 88 anos que não resistiu à doença. Segundo o Centro Estadual de Vigilância em Saúde, ele não havia tido contato com pessoas que estiveram em Manaus. As autoridades sanitárias investigam se a mutação já se espalhou pela Serra Gaúcha e outras regiões do estado.

Em Gramado, cidade de 36,5 mil habitantes, as internações em UTIs por causa da Covid-19 aumentaram 54% em 15 dias, passando de 11, no dia 1º, para 17 no último dia 16. "É um crescimento muito grande, especialmente para um município pequeno, com uma quantidade restrita de leitos", diz o cientista de dados gaúcho Isaac Schrarstzhaupt, coordenador da Rede Análise Covid-19. "Medidas mais duras são imperiosas em um momento em que a contaminação cresce de forma tão exponencial".

A mutação brasileira do coronavírus foi identificada pela primeira vez no início de janeiro, em Manaus. A variante está ligada ao aumento do número de casos no estado do Amazonas e em locais como o município paulista de Araraquara. "Há motivos de sobra para preocupação", afirma Schrarstzhaupt.

O Estado já chegou a mais de 600 mil infectados e 11,5 mil mortes. A capital gaúcha registrou nesta sexta-feira, dia 19, 335 internações em unidades de terapia intensiva, o maior número desde o início de setembro.

 

 

 

 

 

Obrigado por ler a EXAME! Que tal se tornar assinante?


Tenha acesso ilimitado ao melhor conteúdo de seu dia. Em poucos minutos, você cria sua conta e continua lendo esta matéria. Vamos lá?


Falta pouco para você liberar seu acesso.

exame digital

R$ 12,90
  • Acesse onde e quando quiser.

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.
Assine

exame digital + impressa

R$ 29,90/mês
  • Acesse onde e quando quiser

  • Acesso ilimitado a conteúdos exclusivos sobre macroeconomia, mercados, carreira, empreendedorismo, tecnologia e finanças.

  • Edição impressa mensal.

  • Frete grátis
Assine

Já é assinante? Entre aqui.