Região serrana do Rio já recusa doações

Motivo é o excesso de suprimentos recebidos no último mês, o que fez entidade abrir um armazém a cada quatro dias para acomodar os donativos

Rio de Janeiro – A Cruz Vermelha já começou a recusar doações às vítimas das chuvas na região serrana do Rio de Janeiro. O motivo é o excesso de suprimentos recebidos no último mês, o que fez a entidade abrir um armazém a cada quatro dias para acomodar os donativos. Prédios e até igrejas servem de centro de distribuição.

“Os donativos precisam ser separados por tamanho e utilização. Alimentos devem ficar longe dos remédios, roupas, sapatos, materiais de limpeza e de higiene pessoal. Pouquíssimas pessoas vão até as sedes da entidade para fazer esse serviço”, conta Andrea Nogueira, que desde os primeiros dias após a catástrofe trabalha como voluntária em uma igreja de São João de Meriti, na Baixada Fluminense.

O administrador da filial da Cruz Vermelha do Estado do Rio, Marcos Bastos de Amorim, diz que a cada quatro dias um novo espaço é aberto para o armazenamento das doações. “Quem olha de fora tem a impressão de que estamos estocando os materiais. Mesmo despachando todos os dias caminhões com os suprimentos, é muita coisa. O que facilita os desvios”.

Amorim pede que os voluntários continuem contribuindo com o trabalho. “Ainda precisaremos da colaboração de todos. Principalmente das transportadoras”, afirma. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Suporte a Exame, por favor desabilite seu Adblock.