Brasil
Acompanhe:

Procon pede informações a aéreas sobre providências em Congonhas

O consumidor que não for atendido em seus direitos poderá registrar reclamação junto ao Procon-SP

Pista ficou interditada no domingo provocando atrasos e cancelamentos (Germano Lüders/Exame)

Pista ficou interditada no domingo provocando atrasos e cancelamentos (Germano Lüders/Exame)

A
Agência Brasil

Publicado em 11 de outubro de 2022, 18h38.

As empresas Latam, Voepass, Gol e Azul foram notificadas pelo Procon-SP e deverão informar quais foram as providências adotadas para atender aos direitos do consumidor depois dos atrasos e cancelamentos de voos provocados pelo acidente que interditou a pista de voo do Aeroporto de Congonhas no domingo, 9. As empresas têm até a meia-noite de hoje, 11, para responder ao Procon-SP.

Segundo o órgão de defesa do consumidor, entre os direitos estão a utilização de canais de comunicação, como internet e telefone no caso de atrasos de 1 hora; atrasos de 2 horas a empresa deve oferecer alimentação adequada; atrasos superiores a 4 horas, o consumidor tem direito a serviço de hospedagem, em caso de pernoite, e traslado, além de opções de reacomodação de voo, execução do serviço por outra modalidade de transporte ou o reembolso do valor total da passagem.

Porém, nessas situações, a empresa aérea não é obrigada a manter a assistência material.

“Se o consumidor estiver no local de seu domicílio, a empresa poderá oferecer apenas o transporte para a sua residência e desta para o aeroporto. Além desses direitos, é dever da companhia aérea prestar informações de maneira clara e precisa aos consumidores. O passageiro deve procurar o balcão de embarque da companhia ou o balcão de atendimento da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac) dentro do aeroporto para buscar informações sobre o problema”, informou o Procon-SP.

O consumidor que não for atendido em seus direitos poderá registrar reclamação junto ao Procon-SP.

LEIA TAMBÉM:

Acidente em Congonhas: por que a retirada do avião da pista demorou tanto?

Aeroporto de Congonhas opera normalmente, após 2 dias de dificuldades