Primeiro leilão de privatização portuária acontece nesta quarta na B3

Dois grupos, liderados pela Vinci Partners e Qadra Capital, estão na disputa; vencedor terá que investir mais de 1 bilhão de reais na concessão e assumir ações que hoje pertencem à União
Porto de Vitória (ES): leilão deverá ser realizado nesta quarta, dia 30 (Divulgação/Divulgação/Thiago Guimarães/Secom-ES)
Porto de Vitória (ES): leilão deverá ser realizado nesta quarta, dia 30 (Divulgação/Divulgação/Thiago Guimarães/Secom-ES)
Por Carla AranhaPublicado em 30/03/2022 06:00 | Última atualização em 29/03/2022 22:17Tempo de Leitura: 3 min de leitura

Esta reportagem faz parte da newsletter EXAME Desperta. Assine gratuitamente e receba todas as manhãs um resumo dos assuntos que serão notícia.

O primeiro leilão de privatização portuária no país está programado para esta quarta, dia 30, na sede da B3, em São Paulo. A desestatização da Companhia Docas do Espírito Santo (Codesa) deverá ser disputada por dois grupos, liderados pela Vinci Partners e Qadra Capital, gestora criada há cinco anos que possui cerca de 6 bilhões de reais em ativos.

O vencedor se compromete a comprar as ações da companhia que pertencem à União, avaliadas em 325,8 milhões de reais. Outra obrigação diz respeito a investimentos diretos de 334,8 milhões de reais e 1 bilhão de reais relativos ao custeio de despesas operacionais. Em troca, o grupo vencedor terá direito à concessão, por 35 anos, dos portos de Vitória e Barra do Riacho, no Espírito Santo. Desta vez, a outorga terá um valor simbólico, de 1 real, e leva a concessão quem oferecer o maior ágio.

Quer saber tudo sobre a corrida eleitoral? Assine a EXAME por menos de R$ 0,37/dia e fique por dentro.

Com a privatização, a expectativa é que o porto de Vitória dobre a capacidade de movimentação de carga, atualmente estimada em cerca de 7 milhões de toneladas por ano. Para o terminal de Barra do Riacho, está prevista a exploração de novas áreas – pelo menos 522 mil quadrados deverão ser desenvolvidos, de acordo com o governo.

O modelo de desestatização da Codesa é visto como um teste para algo bem maior, o leilão do porto de Santos, previsto para o final do ano. Na visão do governo, o objetivo das privatizações portuárias é “deixar o Brasil mais competitivo da porta para fora”, como tem declarado o ministro da infraestrutura, Tarcísio de Freitas.

O evento na B3 deverá representar a despedida de Tarcísio da pasta que comandou por quase quatro anos – está prevista a presença do ministro no leilão. Nos próximos dias, ele deve deixar o governo para apresentar oficialmente sua candidatura ao governo do estado de São Paulo. Nesta segunda, dia 28, o ministro se filiou ao Republicanos. Marcelo Sampaio, atual secretário-executivo da pasta, deverá substituir Tarcísio – a troca está prevista para quinta, dia 31.